Sexta-feira, 17 de Setembro de 2021

Porto Alegre
23°
Cloudy

Home Notícias Um ano após detecção, a Organização Mundial da Saúde investigará na China origem do coronavírus

Compartilhe esta notícia:

A visita dos dez especialistas da OMS é uma questão muito delicada para o regime chinês, que deseja descartar qualquer responsabilidade na pandemia. (Foto: Reprodução)

Mais de um ano depois do surgimento do novo coronavírus, uma equipe da OMS (Organização Mundial da Saúde) deve desembarcar na China este mês para investigar a origem da pandemia.

A visita dos dez especialistas da OMS é uma questão muito delicada para o regime chinês, que deseja descartar qualquer responsabilidade na pandemia que provocou mais de 1,8 milhão de mortes no mundo. E tanto é assim que a visita tem ares de missão secreta. As datas não foram divulgadas, e a OMS se limitou a afirmar que acontecerá “na primeira semana de janeiro”.

Embora Pequim tenha conseguido praticamente erradicar a doença em seu território, não conseguiu evitar as acusações recorrentes do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de ter propagado o “vírus chinês” por todo mundo, ou mesmo de ter permitido que escapasse de um laboratório de virologia de Wuhan, a cidade do centro do país onde a Covid-19 surgiu no fim de 2019.

Sinal do nervosismo, as autoridades comunistas condenaram na semana passada a quatro anos de prisão a jornalista cidadã Zhang Zhan, que fez uma cobertura da quarentena em Wuhan.

As autoridades também expressaram suas dúvidas sobre a origem chinesa do vírus, apesar de inicialmente terem apontado um mercado de Wuhan onde eram vendidos animais vivos.

“Mais e mais investigações sugerem que a epidemia pode ter aparecido em muitas partes do mundo”, disse o ministro chinês das Relações Exteriores, Wang Yi, no fim de semana.

Especialistas em quarentena

Devido à pandemia, os especialistas internacionais terão que passar por uma quarentena de duas semanas ao chegar a Pequim. Depois, terão um prazo de três a quatro semanas para investigar a origem da doença.

O grupo deve conseguir viajar a Wuhan por volta de 20 de janeiro, praticamente um ano depois do início da quarentena nesta metrópole de 11 milhões de habitantes, em 23 de janeiro de 2020.

O dia 20 de janeiro também é a data em que Donald Trump deve abandonar a Casa Branca. Alguns analistas especulam que Pequim pode ter aguardado a data para o início real da investigação para não dar a impressão de ceder às exigências do presidente republicano.

Este último pediu reiteradamente uma investigação internacional sobre a origem do vírus, uma solicitação apoiada pela Austrália, objeto de sanções comerciais por parte da China nos últimos meses.

A demora da China em aceitar uma investigação independente significa que os primeiros vestígios da infecção serão difíceis de encontrar. “Não sou otimista. Eles viajarão depois da batalha”, adverte o especialista em doenças infecciosas Gregory Gray, da Universidade Duke, nos Estados Unidos.

“Será incrivelmente difícil encontrar a origem do vírus”, afirma Ilona Kickbusch, do Instituto de Altos Estudos Internacionais e Desenvolvimento de Genebra. Os cientistas acreditam que o hospedeiro original do vírus foi um morcego, mas se desconhece o animal intermediário que permitiu a contaminação humana.

A imprensa chinesa insiste cada vez mais na hipótese de que o vírus foi importado, por meio de alimentos congelados, uma tese rejeitada pela OMS.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Notícias

Pesquisa revela que 41% dos brasileiros acham que situação econômica do País vai piorar
Rapidez com que chega aos pulmões pode tornar nova cepa do coronavírus mais contagiosa
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News