Universidade alemã não confirma pós-doutorado do novo ministro da Educação. Posse de Carlos Alberto Decotelli é adiada

O novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, não obteve um certificado de pós-doutorado pela Universidade de Wüppertal, no Oeste da Alemanha, como havia sido informado por ele e pela pasta.

Em nota, a instituição alemã esclareceu que o ministro conduziu pesquisas na universidade por um período de três meses em 2016, mas não concluiu nenhum programa de pós-doutorado, que, na Alemanha, dura de dois a quatro anos.

“Carlos Decotelli não obteve nenhum título na nossa universidade”, afirmou a responsável pela comunicação da instituição de ensino, Jasmine Ait-Djoudi. A universidade alemã oferece cerca de 110 cursos em diversas áreas e tem mais de 22 mil estudantes.

No currículo disponível na plataforma Lattes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Decotelli descreve que frequentou a universidade alemã entre 2015 e 2017 e que recebeu o certificado de pós-doutor.

Em Wüppertal, o novo ministro da Educação conduziu uma pesquisa durante três meses sob a orientação de Brigitte Wolf, que foi professora de Teoria do Design na universidade até 2017. Ela confirmou que o ministro não recebeu nenhum título universitário na Alemanha.

Um pós-doutorado não é um título acadêmico formal, mas é um termo usado em referência a pesquisas feitas após um acadêmico obter um título de doutor.

Argentina

Na sexta-feira (26), o reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, Franco Bartolacci, informou que Decotelli não obteve um título de doutor em administração da Faculdade de Ciências Econômicas e Estatísticas e confirmou que a tese de doutorado foi reprovada.

Depois da repercussão da notícia, o ministro alterou as informações sobre o seu currículo na plataforma Lattes, excluindo o título da tese – “Gestão de Riscos na Modelagem dos Preços da Soja” – e o nome do orientador. Em resposta à publicação do reitor argentino, o MEC divulgou um certificado atestando que Decotelli concluiu “todos os créditos do doutorado”, mas a pasta não se referiu à obtenção do título de doutor.

O título de mestre do novo ministro da Educação também levanta suspeitas. A FGV (Fundação Getulio Vargas) apura um eventual plágio na dissertação de mestrado de Decotelli, que frequentou o curso em administração profissional na FGV entre 2006 e 2008.

Em nota, o Ministério da Educação informou que Decotelli iria revisar o trabalho “por respeito ao direito intelectual dos autores e pesquisadores citados”. “O ministro refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência”, diz o MEC.

Posse

A posse do novo ministro, que ocorreria nesta terça-feira (30), foi adiada. A nova data da solenidade não foi divulgada. De acordo com ministros, o governo federal decidiu fazer uma “checagem completa” do currículo de Decotelli.

Comentários