Universidade de Caxias do Sul ganha patente de tecnologia de despoluição de efluentes industriais

Doutoranda Letícia Osório da Rosa no Laboratório de Enzimas e Biomassas (Foto: Claudia Velho/UCS)

A manutenção da qualidade da água é o principal potencial da mais recente conquista da área de Biotecnologia da UCS (Universidade de Caxias do Sul). O Inpe (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) conferiu à universidade a patente da invenção executada pela equipe do Laboratório de Enzimas e Biomassas do Instituto de Biotecnologia. A técnica em questão está sendo utilizada pela indústria da polpa de celulose e do papel para despoluir a água empregada na indústria papeleira, mas o processo pode ser realizado também na área têxtil, entre outras.

Com a concessão, que garante a propriedade intelectual da invenção, a UCS fica autorizada a repassar, para qualquer empresa interessada em produzir em escala industrial, o know-how para o desenvolvimento das substâncias com emprego como material antipoluente e também utilizáveis na produção do papel. O prazo para a Universidade é de 20 anos, a contar da data de depósito da patente (3 de abril de 2007).

Pesquisa

A pesquisa em laboratório detectou que a adição de diferentes concentrações de metais durante o cultivo sólido do fungo Pleurotus sajor caju, uma espécie de cogumelo comestível, superpotencializa a produção de enzimas capazes de atuar na descoloração de corantes e de moléculas poluentes da água, presentes como efluentes das indústrias têxtil e papeleira.

Vanguarda ambiental

“Estamos nos adiantando no tempo. Essas pesquisas são uma resposta ao compromisso da Biotecnologia com o meio ambiente”, define o coordenador da pesquisa e do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia da UCS, Aldo Dillon, sobre o processo de produção e sistematização do conhecimento científico e sua disponibilização à sociedade – etapas que caracterizam a missão institucional da UCS.

De acordo com ele, a descoberta disponibiliza ao mercado uma tecnologia eficiente e economicamente viável, com contribuições para o setor produtivo, “mas também para a causa ambiental, por possibilitar a diminuição de poluentes e, por consequência, diminuir o impacto dos efluentes industriais”.

Na indústria têxtil, por exemplo, cujos processos são bastante poluentes, visto que de 10 a 15% dos corantes não são fixados durante o tingimento e passam a ser componentes dos efluentes, o uso das enzimas resulta em maior eficiência para o tratamento de resíduos relacionados a presença de corantes.

Na indústria papeleira, os agentes biológicos quebraram moléculas orgânicas responsáveis pela poluição da água, também largamente geradas durante a produção de papel e derivados.

Carta-Patente é a segunda obtida em torno de pesquisa com antipoluente natural

A patente de invenção recebida pela instituição é a segunda oriunda de pesquisas, executadas pela mesma equipe do Instituto de Biotecnologia, sobre processos biotecnológicos do fungo Pleurotus sajor caju, um cogumelo comestível com ocorrência comum na natureza. A primeira, referente à remoção de metais pesados de líquidos contaminados, foi concedida em junho de 2015.

The post Universidade de Caxias do Sul ganha patente de tecnologia de despoluição de efluentes industriais appeared first on O Sul.

Comentários

805 Comentários

Adicione um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.