Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Economia A inflação oculta também castiga os brasileiros

Compartilhe esta notícia:

A internet que não tem reajuste, mas passa a cair no horário de pico. A escola que diminui o número de professores por aluno, enchendo as turmas. O plano de saúde que não joga o aumento de custos para a mensalidade, mas aumenta o porcentual de coparticipação dos atendimentos. As mudanças podem não se refletir na inflação oficial, mas a qualidade do consumo das famílias piora nesses exemplos. Na prática, a renda real parece afetada mesmo que os preços contratados não tenham subido: é a inflação oculta.

As empresas repassam a elevação de custos para os seus consumidores só até o ponto em que isso não seja prejudicial aos seus próprios lucros. Se a avaliação for de que o repasse reduzirá a demanda, as firmas se adaptarão de outras formas. Uma possibilidade é o ajuste na qualidade, uma consequência menos visível da inflação alta para as famílias.

Nos produtos é até mais fácil perceber, por exemplo, no chocolate que manteve o preço mas diminuiu de tamanho (isto é, preço por grama maior). Mas, no caso dos serviços, a inflação oculta é menos tangível.

Esse tipo de ajuste pode ser mais comum no momento em que a inflação “normal” está mais alta e persistente, e os consumidores, portanto, já estão mais resistentes a aceitar novas elevações de preços. Um desafio é que nós não sabemos ainda como mensurar o problema.

A inflação brasileira em 2021 foi a maior desde 2015. Ela decorreu de fatores domésticos, como a crise hídrica e energética e as incertezas no fiscal e na política – que desvalorizaram o real. Mas foi impactada também por fenômenos externos: a variação mundial nos preços das commodities (como o petróleo), a asfixia nas cadeias produtivas globais – efeito da covid-19.

Se a inflação parecia em queda neste ano – com a melhora das chuvas, o possível fim da pandemia e a alta dos juros –, a guerra na Ucrânia volta a trazer preocupação. A Rússia, é sabido, é um importante exportador de energia, de fertilizantes e de trigo. Já a Ucrânia exporta muito trigo e milho, o que adicionalmente pode bagunçar os mercados internacionais.

Se a inflação global voltar a subir, também vai pressionar o custo de vida por aqui. O leitor pode ficar atento à piora na qualidade daquilo que tem comprado e contratado.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Trigo atinge nível mais alto em quase 14 anos; bolsas europeias operam em queda e rublo se recupera
Saída de ministros deve provocar maior esvaziamento do governo em 25 anos. Previsão é de que 10 deixem seus cargos para concorrer às eleições
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde