Terça-feira, 16 de Julho de 2024

Home Carlos Roberto Schwartsmann A Justiça espanhola não é a Justiça brasileira!

Compartilhe esta notícia:

Nós brasileiros ficamos estupefatos com a condenação do ex-jogador de futebol da Seleção Brasileira, Daniel Alves. Após julgamento que durou 3 dias, ele foi condenado a pena de 4 anos e meio à prisão por estupro.

Antes do julgamento, por orientação dos advogados, depositou 150 mil euros (R$ 860 mil) por danos a vítima para reparar e atenuar o crime de agressão sexual ocorrido.

Em 2013, a Justiça italiana condenou outro jogador brasileiro, Robinho, à 9 anos de prisão por crime similar. O jogador vive em liberdade no Brasil e não ficou preso um dia sequer.

O estupro é interpretado pela sociedade brasileira e pela Justiça como crime banal. Um crime até aceitável. Não somos nem sensibilizados por estupros coletivos ocorridos na África do Sul, Ruanda, Congo e Moçambique. Na semana passada, uma brasileira foi estuprada na Índia por sete homens

Para nós, a violência contra as mulheres é de importância secundaria. A discussão sobre o tema sempre foi deixada nas sombras e no segundo plano.

A Justiça brasileira é rígida com outros delitos: não pagar pensão alimentícia, cortar árvores, cobrar pelo SUS e racismo são exemplos de prisão imediata!

Lendo sobre o assunto, fiquei estarrecido ao saber que, segundo o IPEA (Instituto de Pesquisa Aplicada), em 2023 ocorreram 822 mil casos de estupro no Brasil! Um a cada minuto!! Evidentemente o número deve ser muito maior, pois as vítimas tem medo da denúncia, dos agressores e da condenação moral de sociedade.

Apenas 10% tem registro policial. 35% afirmam que é na própria casa que o crime é consumado. 70% apontam conhecidos como os desumanos!

Mas se o estupro é um ato de momentos, as sequelas das vítimas são eternas. As eventuais sequelas físicas do corpo desaparecem em dias, mas as sequelas psicológicas, as da alma, jamais são esquecidas.

São frequentes: o medo, a depressão, a insônia.

Pesadelos recapitulando as cenas ficam registrados para eternidade.

Que exemplo nos deu a Justiça da Espanha. Estupro é um crime sem castigo no Brasil! Definitivamente a Justiça espanhola não é a injustiça brasileira.

Carlos Roberto Schwartsmann – Médico e Professor universitário

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Carlos Roberto Schwartsmann

Defensor convicto do direito de propriedade, Ronaldo Caiado recebe o Troféu Brasil Expodireto
Lembranças que ficaram (12): Prestes… e o meu cavalo?
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Carlos Roberto Schwartsmann Maconha, não, não e não!

Carlos Roberto Schwartsmann Laçador, Caramelo e o dilúvio

Carlos Roberto Schwartsmann Acorda Brasil: desesperança e insegurança

Carlos Roberto Schwartsmann Vá em paz, Renato

Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa