Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021

Home Mundo Atraídos por benefícios, brasileiros estabelecem “domicílio fiscal” em Portugal

Compartilhe esta notícia:

Vivendo em Portugal desde agosto, o paulista Caio Bizaroli atua como “arquiteto da nuvem”, profissão de tecnologia da informação (TI) onde falta mão-de-obra. Ele agora vai transferir seu domicílio fiscal do Brasil em 2022, evitando assim os riscos de uma dupla tributação.

Tendência crescente entre os brasileiros, a alteração do domicílio fiscal é uma obrigação tributária para a pessoa física que pretende viver de forma definitiva ou por mais de um ano fora da nação de origem. E o país ibérico oferece um programa específico para atrair imigrantes.

É o caso de Bizaroli, que se enquadra no regime fiscal lusitano conhecido como “Residente Não Habitual” (RNH), destinado a “seduzir” estrangeiros que atuam em profissões de alto valor agregado. A lista engloba programadores de informática, arquitetos, engenheiros e médicos, dentre outros.

Dados oficiais apontam a existência de aproximadamente 6,6 mil brasileiros nesta condição, maior contingente de estrangeiros beneficiados fora da Europa, conforme estatística de 2020 do Ministério das Finanças português.

Eles pagam 20% fixos de Imposto de Renda sobre os rendimentos por dez anos, em um país onde a última faixa de tributação é de 48%, e a intermediária fica entre 28% e 35%. Mas vale a pena se comparado com o Brasil?

O próprio Bizaroli fez as contas: com vagas de sobra em sua área, ele conta ter desembarcado primeiro em uma consultoria, com visto de trabalho e salário menor. A empresa ajudou na requisição do regime RNH em setembro.

Dentro do mercado, Bizaroli assegura que choveu oferta de trabalho. Ele rapidamente passou a funcionário contratado de uma grande empresa de tecnologia, onde ganha mais. Com o segmento de TI aquecido, a tendência é que ele progrida na carreira e nos vencimentos, pagando na próxima década sempre a mesma alíquota de 20% do RNH.

“Se o valor do salário não for alto, não compensa. No meu caso, vale, porque eu vou pagar 20% durante uma década e, no Brasil, já pagava 27,5% direto na fonte, a última faixa de tributação”, relata.

Após consultar um técnico contabilista em Portugal, Bizaroli verificou que está dentro do prazo para enviar à Receita Federal brasileira a Declaração de Saída Definitiva do País (DSDP), que oficializa a mudança de domicílio fiscal: “Por ter investimentos em ações, que não pretendo mexer, preferi não fazer a saída de imediato até saber de todas as condições”.

Supervisora na consultoria BDO Portugal e responsável pelo apoio fiscal aos brasileiros, a advogada Camila Riso diz que há muitos profissionais de TI em regime de RNH de mudança para Portugal com mala, computador e uma carteira de ações debaixo do braço:

“O RNH com investimento em Bolsa no Brasil não paga imposto em Portugal, porque a convenção entre os países para evitar a bitributação é diferente do modelo da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). É isento em Portugal devido ao RNH, mas pode ser tributado em 15% no Brasil. Outras nacionalidades no RNH pagam 28% em Portugal”.

Como Bizaroli trabalha a distância para uma empresa sediada na Bélgica, ele é praticamente um nômade digital. Sem necessidade de escritório fixo, planeja se mudar de Cascais, cidade cara e preferida dos milionários brasileiros, para Leiria ou Caldas da Rainha, onde o custo de vida é menor e a qualidade de vida, melhor.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Peronismo perde a maioria no Senado argentino pela primeira vez em 40 anos
Saiba como fazer um passeio pelo hotel mais icônico de Dubai mesmo sem estar hospedado
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada