Domingo, 21 de Julho de 2024

Home Cláudio Humberto Barroso segue liderando uso dos jatos na FAB

Compartilhe esta notícia:

Até o momento, este ano, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, é a autoridade que mais utilizou os jatinhos da FAB, uma das mordomias mais cobiçadas na Praça dos Três Poderes, reservada apenas a presidentes de Poder, ministros de Estado e comandantes das Forças Armadas. O ministro realizou 65 voos com o Grupo de Transporte Especial de Transporte da Força Aérea Brasileira (GTE/FAB) desde janeiro, 18 somente neste mês (inacabado) de junho.

Mais de R$ 200?

Ministros de Lula (PT) e outras autoridades realizaram, até dia 17, outras 702 viagens nas aeronaves nos jatinhos da FAB.

Prata e bronze

O presidente da Câmara, Arthur Lira, realizou 57 viagens nas aeronaves da FAB em 2024; o ministro da Defesa, José Múcio, requisitou 56 voos.

Nem ele

O combalido ministro da Fazenda, Fernando Haddad, que vive na ponte aérea Brasília-São Paulo, realizou 50 viagens nos jatos da Força Aérea.

Mês a mês

Até agora o recorde de viagens de ministros etc. em jatos da FAB foi em março: 181 viagens. Junho mal passou da metade e já são 178 voos.

Palestra de chefão da ANTT levanta suspeitas

Caiu na boca de servidores da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) um workshop promovido pela Associação Brasileira das Empresas de Transporte Terrestre de Passageiros (Abrati), na quarta (26), presidida por Paulo Alencar Porto Lima. Um dos palestrantes é Felipe Freitas, superintendente de fiscalização da ANTT, que irá falar sobre a atuação dos fiscais. Acontece que Freitas foi denunciado na CGU por suposto favorecimento a uma empresa associada a Abrati.

Xis da questão

A empresa supostamente favorecida é a Real Expresso, do grupo Guanabara, que tem Lima, da Abrati, como mandachuva.

Advocacia administrativa

A denúncia na CGU acusa Freitas de encomendar nota técnica para cancelar multas e diz que a empresa é protegida pela direção da ANTT.

Fala, ANTT

À coluna, a ANTT diz que participa de eventos de forma recorrente e que acompanha denúncias contra servidores pela corregedoria ou pela CGU.

Ministério da Doença

O ex-ministro da Saúde Marcelo Queiroga critica a atuação do “Ministério da Doença”, como chama, no combate à dengue. Diz que Lula trouxe “uma agenda mofada e sem compromisso com a saúde dos brasileiros”.

Caminho da esperteza

Vendida como “quadro técnico”, a ministra Nísia Trindade (Saúde) logo aprendeu os meandros da política. Escolheu cidade onde o irmão de um líder do PT vai ser candidato para fazer anúncio de “verbas do PAC”.

Todo cuidado é pouco

Seguidor gaiato de Juscelino Filho (Comunicações) não perdoou convite do ministro nas redes sociais para cerimônia com Lula, a fim de anunciar obras no Maranhão. “Cuidado com os celulares”, avisou o precavido.

Sombra e água fresca

Greve de professores da Universidade de Brasília (UnB) terminou do jeito que começou: na malandragem. O MEC, malandro, arregou e revogou ordem que aumentava a carga mínima de trabalho da companheirada.

Semelhanças

Atento seguidor respondeu tuíte de Lula comparando PT e Real Madrid na Champions League, associando os anos de vitória e vice colocação. O internauta lembrou que o ex-presidente do clube foi preso por fraude.

Sem pé nem plano

“As desonerações sempre existiram por causa do nosso manicômio tributário. O grande problema do orçamento é a gastança desenfreada, os desvios e a corrupção”, definiu Bia Kicis (PL-DF) na Câmara.

Diárias

Auditores do TCU recomendaram a suspensão do pagamento de diárias a juízes de Brasília que trabalham na cidade onde moram. Eles dão expediente no STF e faturam um extra pelo deslocamento.

Muito e errado

Segundo o deputado Cabo Gilberto (PL-PB), o governo Lula (PT) gasta muito e gasta errado: “quebrou o teto de gastos muito antes de assumir o poder com a PEC da transição e segue gastando mais do que arrecada.”

Pensando bem…

…agradecer a Deus pelo 5 a 4 de 2022, até agora, nada.

PODER SEM PUDOR

A urna transparente

Ulysses Guimarães era candidato do PMDB, na época partido de Miguel Arraes, na campanha presidencial de 1989. Numa reunião com lideranças do interior de Pernambuco, Arraes prega o voto em Lula. À saída do encontro, o assessor Francisco Simões pergunta ao ex-governador: “E o Dr. Ulysses?” Arraes fez que não entendeu: “Que é que tem?” Simões: “O senhor não vai votar nele?” O líder pernambucano esclareceu: “Claro que vou votar no Ulysses!” O homem ficou confuso: “Não entendi, dr. Arraes…” O velho político abriu o jogo: “Você ainda não entende essas coisas. Já pensou se na “minha” urna não aparece nenhum voto pro Ulysses?”

___

Com Rodrigo Vilela e Tiago Vasconcelos

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cláudio Humberto

Limpeza geral
E agora?
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News