Terça-feira, 17 de Maio de 2022

Home Economia Bolsonaro diz que proposta de emenda à Constituição dos combustíveis será entregue nesta semana ao Congresso

Compartilhe esta notícia:

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou no fim de semana que o Projeto de Emenda à Constituição (PEC) dos Combustíveis será entregue ao Congresso nesta semana.

“Nós vamos entrar com uma PEC na semana pedindo ao Congresso que me dê autorização para zerar o imposto do diesel sem fonte compensadora”, declarou após visita à Catedral Metropolitana de Brasília.

O chefe do Executivo afirmou que a proposta deve ser entregue por Alexandre Silveira (PSD-MG), suplente do senador Antonio Anastasia (PSD-MG), que deverá assumirá o mandato em fevereiro, assim como o cargo de líder do governo no Senado.

Em live no último dia 20, Bolsonaro anunciou que negociava com o Congresso a PEC para redução do PIS/Cofins dos combustíveis. “É uma possibilidade de se conseguir isso aí para dar um alívio. Se bem que, deixo claro, a questão da inflação está no mundo todo acontecendo”, completou.

Um dia antes, o chefe do Executivo comentou sobre a iniciativa, afirmando que a mesma já está quase pronta e que será apresentada no retorno dos trabalhos no Congresso.

“Reconheço a inflação de alimentos, reconheço a alta do combustível, falo de um porquê. Fora do ar aqui falava-se de uma proposta que poderíamos enviar ao Congresso que mexe com combustível. Sim, existe essa proposta, não quero entrar em detalhe, vai ser apresentada no início do ano. Nós procuramos aqui reduzir carga tributária, muitas vezes ser obrigado a encontrar uma fonte alternativa, você não pode apenas reduzir isso daí e vamos fazendo o possível”, disse na data.

Especialistas defendem que a PEC pode aumentar o rombo das contas públicas. E, ainda não impedirá novas altas nos preços dos combustíveis, caso o barril do petróleo suba dos atuais US$ 87 para US$ 100, diante da atual crise entre a Rússia e Ucrânia, alertam.

A PEC dos Combustíveis prometida por Bolsonaro prevê redução temporária dos impostos sobre gasolina, diesel e até sobre a energia elétrica e assim, o chefe do Executivo, que está com rejeição elevada, tenta reverter esse quadro para as próximas eleições.

O impacto fiscal nas despesas do governo pode ficar em torno de R$ 70 bilhões, apenas se os impostos federais forem zerados com o projeto. E, no caso dos Estados, se houvesse redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o impacto poderia chegar a cerca de R$ 200 bilhões.

Reajustes

Bolsonaro também comentou sobre o reajuste de servidores, mas apontou que “os recursos são poucos” e não disse qual decisão tomará.

“Tem um montante reservado [no Orçamento], que por enquanto está congelado. Ninguém, no momento, falou que vai conceder, da nossa parte, ou não, o reajuste. O que eu peço que todos pensem é o seguinte: os recursos são poucos, estamos saindo, espero, de uma pandemia, e se você puder colaborar com uma categoria ou outra, eu acho que devemos fazê-lo. Eu posso dar 1% para todo mundo ou reconhecer o valor de poucas categorias agora. Outras também merecem e têm o seu valor, mas não temos recursos para todo mundo”, concluiu.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Em meio à crise na Ucrânia, Putin flerta com Bolsonaro, Fernández e Maduro
Ação com vagas de trabalho exclusivas para pessoas trans é promovida nesta segunda em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa