Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024

Home em foco Bolsonaro volta a convocar apoiadores para saírem às ruas no 7 de Setembro

Compartilhe esta notícia:

O presidente Jair Bolsonaro (PL) voltou a convocar seus apoiadores a saírem às ruas no dia 7 de setembro, quando se celebram os 200 anos da Independência do Brasil. Em discurso neste sábado (6), em Recife, o chefe do Executivo repetiu ataques a governadores, disse que o País tem hoje uma das gasolinas mais baratas do mundo e acenou para o eleitorado conservador.

“Temos algo tão ou mais importante que a própria vida: a nossa liberdade. E a grande demonstração disso, eu peço a vocês, que seja explicitada no próximo dia 7 de setembro. Estarei às 10h da manhã em Brasília, num grande desfile militar, e às 16h, em Copacabana, no Rio de Janeiro”, declarou Bolsonaro, a uma plateia de apoiadores.
O presidente estava acompanhado do ex-ministro do Turismo Gilson Machado, candidato a senador em Pernambuco.

Nas últimas semanas, o chefe do Executivo e candidato à reeleição tem tentado mobilizar sua base para a realização de atos no 7 de setembro, a menos de um mês do primeiro turno das eleições. Bolsonaro tem dito que Marinha, Exército, Aeronáutica, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros vão participar do desfile em Copacabana, no Rio. Contudo, o prefeito da cidade, Eduardo Paes (PSD), confirmou que a parada militar será na Avenida Presidente Vargas, no Centro, como ocorre tradicionalmente.

“Esse movimento não é político. Esse movimento não é de A, nem de B, nem de C. É um movimento do povo brasileiro, que não abre mão da sua liberdade, que defende a liberdade, a sua democracia e também de todos aqui no Brasil”, disse Bolsonaro.

Pacificadores

Enquanto o chefe do Executivo convoca para manifestações nas ruas, outras autoridades têm tentado acalmar os ânimos. Em evento da XP na última semana, em São Paulo, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse esperar que os atos de 7 de setembro sejam “ordeiros, pacíficos e respeitosos às instituições”.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), aliado de Bolsonaro, afirmou, no mesmo evento, que a celebração tem de ser uma festa “linda, cívica e tranquila”, sem ameaças.

Também nesta semana, Pacheco defendeu a confiabilidade das urnas eletrônicas e apelou por “pacificação” e “contenção de ânimos” no País, em meio ao aumento dos ataques de Bolsonaro à Justiça Eleitoral.

No 7 de setembro do ano passado, Bolsonaro foi a manifestações antidemocráticas e chegou a afirmar que não obedeceria mais decisões do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). A declaração gerou uma crise institucional do País, apaziguada com uma carta pública de recuo divulgada por Bolsonaro e escrita pelo ex-presidente Michel Temer.

Motociata

Em Recife, Bolsonaro voltou a reafirmar os valores conservadores. Ele reiterou que é “a favor da família”, contra o aborto, a legalização das drogas e o que chama de “ideologia de gênero”. Bolsonaro participou ainda de uma motociata pelas ruas da capital pernambucana.

A primeira-dama Michelle também discursou, ao lado de Bolsonaro, na Marcha para Jesus. Sua participação em atos com o chefe do Executivo é vista pela campanha à reeleição como um trunfo para conquistar votos de mulheres religiosas. O presidente possui índices baixos de popularidade no público feminino.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mais de 30 mulheres relataram terem sofrido supostos estupros cometidos pelo influenciador Bruno Krupp, preso sob custódia no Rio de Janeiro
Polícia Federal prende três suspeitos de ajudarem na ocultação dos corpos de Bruno Pereira e Dom Phillips
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde