Quarta-feira, 17 de Julho de 2024

Home Variedades Canetas emagrecedoras ganham versões em pílula

Compartilhe esta notícia:

As farmacêuticas Novo Nordisk e Eli Lilly estão divulgando versões em comprimidos de seus medicamentos de grande sucesso para perda de peso que poderão ser lançadas já no próximo ano. Mas se você espera algo mais barato e com menos efeitos colaterais, pense novamente. As pílulas para obesidade em desenvolvimento apresentam algumas deficiências importantes na facilidade de uso e efeitos colaterais para as quais os pacientes podem não estar preparados. E se um comprimido da Novo que já está no mercado servir de guia, alguns custarão tanto quanto as injeções que já estão fazendo pacientes e seguradoras hesitarem.

Medicamentos como Zepbound, da Lilly, e Wegovy, da Novo, são uma mina de ouro que impulsionou as empresas a avaliações vertiginosas e atraiu outras farmacêuticas para o campo. Pfizer e AstraZeneca estão buscando medicamentos orais para fazer incursões em um mercado que deverá atingir US$ 100 bilhões dentro de sete anos.

“(Os medicamentos) orais desempenharão um papel muito significativo, porque nem todo mundo gosta de injeções”, afirmou o CEO da Pfizer, Albert Bourla, em uma conferência em setembro.

O seu homólogo da AstraZeneca, Pascal Soriot, prevê uma pílula que “democratizará” a perda de peso, tornando-a disponível para mais pessoas em países de baixos rendimentos. As farmacêuticas consideram os comprimidos geralmente mais fáceis de fabricar, armazenar e transportar do que as injeções. Até agora, isso não se traduziu em uma forma mais barata de Ozempic, da Novo. Rybelsus, uma versão em pílula da injeção para diabetes que é frequentemente usada para perda de peso, já está disponível por US$ 936 (R$ 4,5 mil em conversão direta) ao mês.

Os preços mensais das versões em pílula nos Estados Unidos são: Wegovy (US$ 1.349), Zepbound (US$ 1.060), Mounjaro (US$ 1.023), Ozempic (US$ 936) e Rybelsus (US$ 936).

Uma versão em altas doses de Rybelsus especificamente para perda de peso está sendo considerada para aprovação europeia. Num ensaio de fase final, os pacientes que tomaram o medicamento uma vez por dia perderam cerca de 15% do peso corporal em menos de 16 meses.

Mas a pílula ainda tem limitações: os pacientes tomam o remédio diariamente com o estômago vazio e depois devem esperar mais meia hora antes de comer. Mesmo assim, foram relatados mais efeitos colaterais gastrointestinais em ensaios com a dose mais alta do medicamento do que em estudos com injeções de Wegovy.

A pílula também requer significativamente mais ingrediente ativo do que as injeções, e essa substância, a semaglutida, já é escassa. A Novo adiou os planos de solicitar aprovação nos Estados Unidos deste ano para o próximo e disse que o lançamento do medicamento depende da fabricação.

Assim como as injeções, as novas pílulas imitam o GLP-1, um hormônio que faz as pessoas se sentirem saciadas. A pílula experimental da Lilly, a Forglipron, tem a vantagem de “não ter restrições em termos de ingestão de alimentos e água”, segundo o vice-presidente executivo da empresa, Patrik Jonsson.

A pílula tomada uma vez ao dia rendeu quase tanta perda de peso quanto a dose experimental mais alta de Rybelsus em cerca de metade das vezes, ajudando pacientes com diabetes e obesidade a perder quase 15% do peso corporal em apenas 36 semanas. Especialistas disseram que esses resultados não têm precedentes para uma pílula, embora náuseas e vômitos ainda sejam comuns.

Concorrência

A pílula da Lilly “parece ser a melhor”, segundo Joon Lee, analista farmacêutico da Truist Securities, em entrevista. Embora provavelmente ainda esteja a anos de chegar às farmácias, poderá dar à Lilly uma vantagem sobre a Novo num mercado ainda amplamente dominado pela farmacêutica dinamarquesa.

Depois de eliminar um medicamento experimental em junho devido a questões de segurança, a Pfizer está se concentrando em uma pílula que está em fase intermediária de estudo.

O risco de efeitos colaterais pode explicar por que a Pfizer dividiu o medicamento em duas doses diárias em seu ensaio, disse Lee, da Truist. A empresa ainda está coletando e revisando dados sobre a pílula, segundo um portavoz por e-mail, e não viu enzimas hepáticas elevadas que indicariam possível lesão.

Empresas de biotecnologia, incluindo a Viking Therapeutics, com sede em La Jolla (Califórnia, EUA), e a Structure Therapeutics, também estão testando pílulas para obesidade.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Variedades

Funcionários da criadora do ChatGPT ameaçam demissão coletiva após saída de chefe
Ketchup tem vantagem para atletas, mas não substitui géis
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias