Quarta-feira, 17 de Abril de 2024

Home Brasil Cobertura vacinal contra poliomielite continua baixa apesar de prorrogação da campanha

Compartilhe esta notícia:

A vacinação contra poliomielite no Brasil continua abaixo do esperado, segundo o Ministério da Saúde. A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e Multivacinação de 2022, que tem como objetivo alcançar cobertura vacinal igual ou maior que 95% na faixa etária de 1 a 5 anos de idade, alcançou apenas 51% desse público até o momento.

A campanha teve início no dia 8 de agosto e estava prevista para continuar até o dia 9 de setembro, mas foi prorrogada até o dia 30 com o intuito de aumentar as coberturas vacinais e a adesão da população à vacinação.

O grupo-alvo é de 14,3 milhões de crianças menores de cinco anos de idade, sendo que as crianças menores de 1 ano deverão ser imunizadas conforme a situação vacinal para o esquema primário. As crianças de 1 a 4 anos deverão tomar uma dose da Vacina Oral Poliomielite (VOP), desde que já tenham recebido as três doses de Vacina Inativada Poliomielite (VIP) do esquema básico.

O Brasil não detecta casos de poliomielite desde 1989, mas a diminuição nos índices de vacinação pode acarretar volta da doença. Segundo dados do Ministério da Saúde, uma queda progressiva das coberturas vacinais é detectada desde 2015, quando os índices chegaram a 98,3%. Em 2021, a cobertura vacinal ficou em 69,9%.

Segundo Mariele Morandin Lopes, imunologista da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, o maior risco de a população não se vacinar é o retorno de algumas doenças previamente erradicadas. “Vimos caso semelhante acontecer com o sarampo, que também estava erradicado no Brasil, mas devido baixa cobertura vacinal tivemos novos casos recentemente”, afirma. Para a médica, os diversos estudos científicos e anos de experiência apontam que os benefícios superam imensamente qualquer possível risco da vacina.

“A possibilidade de prevenção de uma doença grave é infinitamente melhor. Os casos de crianças que possuem contraindicação com alguma vacina são exceções. Alguns exemplos são crianças que possuem grave comprometimento do sistema imunológico, com baixa produção de anticorpos”, explica.

“Além de protegerem seus filhos, estarão fazendo um ato de amor em proteger indiretamente aquelas crianças que possuem alguma imunodeficiência e tenha realmente contraindicação de se vacinar”, completa a médica.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Desembargador determina retirada de reportagens de portal de notícias sobre imóveis supostamente comprados em dinheiro vivo pela família Bolsonaro
Superior Tribunal de Justiça nega habeas corpus que pedia autorização para aborto de gêmeos siameses
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias