Domingo, 23 de Junho de 2024

Home Beleza Cola de cílios pode até cegar, dizem médicos

Compartilhe esta notícia:

O desejo por um olhar marcante, com cílios exuberantes como os de boneca, tem feito com que
diversas mulheres recorram à extensão de cílios, técnica usada para alongar os fios.
Mas se ela for feita de forma errada, a cola utilizada pode causar lesões nos olhos e até cegueira, alertam os médicos.

Recentemente, a atriz Regina Casé contou o “pesadelo” que viveu após sofrer lesão causada por cola de cílios postiços. Em seu Instagram, Regina contou que no primeiro momento pensou que poderia ser um terçol, mas havia sofrido uma lesão química na córnea por causa da cola e ficou dois dias sem enxergar. “Fiquei desesperada, foi um pesadelo”.

A córnea tem a função de proteger a parte frontal do olho e captar e refratar a luz, mecanismo fundamental para a visão. “Se a córnea perde a sua transparência, automaticamente, a pessoa passa a enxergar mal. Ela é muito frágil. Tem uma superfície que se lesa muito facilmente. A córnea é o órgão do corpo mais inervado, depois do cérebro. Então, tem grande quantidade de nervos por milímetros quadrados. Qualquer cisco que cai no olho, entrando em contato com a córnea, provoca reflexo no piscar”, afirma Leonardo Marculino, oftalmologista do Hospital Cema, chefe do Pronto Atendimento e especialista em doenças externas oculares e córnea..

Condição frequente

”Essa é uma condição que temos visto com muita frequência nos pronto atendimentos oftalmológicos. O risco se deve à possível queimadura química. Mas, às vezes, a cola dos cílios postiços pode não cair imediatamente no olho, mas formar uma espícula, que é uma pontinha, que pode começar a encostar na superfície ocular, tanto na córnea quanto na conjuntiva, que é uma membrana que recobre o olho”, alerta Leonardo Marculino, oftalmologista do Hospital Cema, chefe do Pronto Atendimento e especialista em doenças externas oculares e córnea.

Segundo ele, a córnea é como se fosse o vidro do relógio, funcionando como uma lente que garante a visibilidade. “Qualquer lesão na córnea pode levar à baixa visão, que pode ser transitória ou até definitiva, que ocorre quando há alguma infecção ou queimadura muito intensa a ponto de lesar as células-tronco do olho, que são as células que regeneram a superfície do olho. A córnea pode perder sua transparência ou ainda alguma estrutura pode grudar em outra, pela cicatrização formada pela queimadura, podendo ser algo realmente grave”, disse Marculino.

Em alguns casos, os cílios postiços furam a superfície da conjuntiva. “Já tivemos casos de cílios postiços dentro da conjuntiva, formando reação inflamatória.”

Os acidentes com a cola usada nos cílios postiços podem causar lesões oculares desde uma inflamação (ceratite) até problemas mais graves, como uma úlcera de córnea. “Casos extremos podem levar à perda da córnea com comprometimento da visão. O ideal é uma avaliação urgente de um oftalmologista para conduzir o caso”, afirma Rita de Cassia Lima Obeid, oftalmologista do Cema especialista em plástica ocular e vias lacrimais e via lacrimal endonasal.

Sintomas

Se a cola cair imediatamente no momento da aplicação, a pessoa terá irritação, lacrimejamento, baixa de visão, vermelhidão, entre outros. Posteriormente, após a colocação dos cílios postiços: podem formar espículas que vão para dentro do olho, cair pedaços da cola e também pedaços dos cílios.

Veja a seguir quais sintomas podem aparecer:

Queimação intensa;
‘Sensação de areia’ nos olhos;
Vermelhidão;
Sensibilidade à luz;
Lacrimejamento intenso.

Segundo Marculino, a pessoa só terá baixa de visão se machucar a córnea. “Mas nem sempre os cílios vão machucar a córnea, pode machucar a conjuntiva, inflamar a margem da pálpebra, uma série de situações que podem acontecer”, acrescenta Marculino.

“A baixa de visão decorrente deste tipo de lesão tende a ser temporária e deve voltar ao normal se tratada adequadamente desde o início”, complementa Assae.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Beleza

Morre a atriz Jandira Martini, aos 78 anos, após batalha contra o câncer
Câncer de próstata: saiba quando cada modalidade de tratamento é recomendada
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News