Domingo, 22 de Maio de 2022

Home Economia Conta de luz vai continuar salgada: Está mantida bandeira tarifária mais alta para o mês de fevereiro

Compartilhe esta notícia:

A conta de luz continuará salgada para a maioria dos consumidores de energia elétrica do País. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou que manterá em fevereiro a bandeira tarifária de Escassez Hídrica, a mais cara da escala, que cobra R$ 14,20 a cada 100 kWh consumidos. Assim, em pleno verão, consumidores correm o risco de ver a conta subir na mesma proporção que os termômetros que registram as temperaturas.

Os consumidores precisam ficar alertas para economizar energia elétrica, já que com o verão a tendência é gastar mais. Segundo Marlon Glaciano, especialista em finanças e planejador financeiro, o principal vilão do consumo de energia é o ar-condicionado, muito usado no verão. Tendo consumo consciente no dia a dia, é possível amenizar o peso da bandeira mais cara.

Já para as famílias de baixa renda, um alento. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) informou nesta sexta-feira, que as famílias de baixa renda inscritas no programa Tarifa Social não vão pagar taxas adicionais nas contas de luz em fevereiro. Atualmente, 12,6 milhões de unidades consumidoras recebem descontos.

Acionada pelo terceiro mês consecutivo, a bandeira tarifária verde indica condições mais favoráveis de geração de energia elétrica.

Apesar de as chuvas registradas desde meados de outubro terem refletido no nível de armazenamento dos reservatórios, continua em vigor a bandeira de escassez hídrica, com cobrança de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos para os demais consumidores do País. O patamar mais caro deve ser cobrado até abril.

As famílias atendidas pelo Tarifa Social são isentas de pagar a bandeira de escassez hídrica. Esses consumidores continuam com descontos previstos pelo programa, que são estabelecidos por faixas de consumo.

O novo patamar da bandeira tarifária foi criado pelo governo por conta da grave escassez nos principais reservatórios do País em agosto de 2021. O objetivo é bancar o acionamento de usinas térmicas, que geram energia muito mais cara, e as demais medidas adotadas para garantir o fornecimento. Os recursos, no entanto, não serão suficientes.

Para fazer frente às despesas, o governo autorizou um novo socorro financeiro para o setor elétrico. A operação está prevista em Medida Provisória (MP) regulamentada por decreto presidencial. Agora, caberá à agência reguladora definir os valores e prazos para pagamento. O financiamento deve amenizar os reajustes tarifários em 2022, mas será pago por todos os consumidores com incidência de juros.

O sistema de bandeiras foi criado em 2015 pela Aneel. Além de possibilitar ao consumidor saber o custo real da geração, e adaptar o consumo, o sistema atenua os efeitos no orçamento das distribuidoras. Antes, o custo da energia era repassado uma vez por ano. Na prática, as cores verde, amarela ou vermelha indicam se haverá ou não cobrança extra nas contas de luz.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Venda da Braskem é adiada: Preço não agrada e nova oferta de ações deve ficar para 2023 em razão do calendário eleitoral
Trabalhadores deixam de sacar mais de R$ 208 milhões do abono salarial; saiba quem tem direito
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News