Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Economia Crédito vai desacelerar em 2022, mas inadimplência não preocupa

Compartilhe esta notícia:

Depois de dois anos em ritmo forte, o crédito vai desacelerar em 2022. A atividade econômica fraca, a inflação – que corrói a renda –, a forte alta dos juros e o fim dos programas emergenciais tendem atenuar a demanda, tanto para empresas quanto para famílias.

O Banco Central (BC) prevê crescimento de 9,4% no estoque de crédito no ano que vem, depois de uma expansão de 15,5% em 2020 e uma alta prevista de 14,6% neste ano. A projeção da autoridade é bem mais otimista que a mediana dos analistas do setor privado, que indica expansão de 6,6% em 2022, segundo o último questionário pré-Copom. É também maior que a expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), que na sua pesquisa de economia bancária colhe do setor uma previsão de aumento de 7,3% no saldo.

“As projeções atuais levam em consideração um cenário mais desafiador para a atividade econômica, com condições financeiras mais restritivas, porém incorpora as surpresas positivas recentes na evolução nominal do crédito e uma inflação maior esperada para 2022”, afirmou o Banco Central no Relatório de Inflação divulgado neste mês.

Na ocasião, o regulador até mesmo aumentou sua projeção para 2022, que era de alta de 8,5%, apontando esses fatores como justificativa. Para o ano que vem, a autoridade monetária estima crescimento de 1% no PIB e de 4,7% na inflação medida pelo IPCA.

Apesar da desaceleração da atividade, alguns fatores têm levado os banqueiros a acreditar que 2022 não será tão aquecido, mas também não será ruim.

Um deles é que ainda há um efeito da reabertura da economia que favorece o crédito a pessoa física, mesmo que ele seja limitado pelo endividamento elevado das famílias e pela inflação. Linhas mais arriscadas, como cheque especial e rotativo do cartão de crédito, por exemplo, ainda estão longe de retomar os patamares pré-covid. As modalidades rotativas chegaram a representar 8,7% da carteira de pessoa física com recursos livres, e atualmente estão em 6,9%, segundo dados da Febraban.

“A gente espera sim uma desaceleração do crédito, mas um pouco menos pessimista do que média. Os números correntes estão vindo melhores que o esperado. As linhas mais arriscadas estão muito abaixo do patamar pré-pandemia. O crescimento delas mostra que os bancos estão retomando concessões, tendo mais apetite”, diz Rubens Sardenberg, diretor de economia, regulação prudencial e riscos da Febraban.

Outro fator é o esfriamento do mercado de capitais, que tende a ocorrer num
ambiente de juros mais altos e de corrida eleitoral. Com isso, é esperada uma migração temporária das grandes empresas ao crédito bancário para se financiar. “O ano vai ser desafiador para mercado de capitais, de desaceleração da economia, mas o banco está otimista e confiante no crescimento do crédito”, afirmou o vice-presidente de atacado do Bradesco, Marcelo Noronha.

Por outro lado, o efeito positivo dessa migração não deve ser suficiente para
compensar o baixo crescimento econômico e a volatilidade eleitoral, fatores que desestimulam investimentos.

Ao mesmo tempo, linhas de crédito e outros programas emergenciais voltados a pessoas jurídicas saíram de cena. “O que puxa demanda de PJ é crescimento da atividade, e isso nós não vamos ter”, disse Everton Gonçalves, superintendente da assessoria econômica da Associação Brasileira de Bancos (ABBC).

A entidade prevê crescimento de 7% a 9% no estoque de crédito do país no ano que vem, mas Gonçalves ressalva que o cenário é complexo e é difícil fazer uma previsão.

“Temos atividade fraca, um juro que ninguém sabe até onde vai, inflação elevada e um quadro cada vez mais claro de aperto monetário no exterior. Qualquer previsão está sujeita a muitas trovoadas pelo caminho.”

Por enquanto, no balanço de riscos a leitura feita pelos bancos é positiva.

Durante a divulgação do resultado do terceiro trimestre, o presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Jr, disse ver um cenário macroeconômico menos favorável, mas ainda assim será possível expandir a carteira de crédito em mais de 10%. “Talvez não cresça os 16% deste ano, mas certamente será acima de dois dígitos”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Conta de luz deve subir menos em 2022 com socorro de 15 bilhões de reais ao setor elétrico
Preço dos imóveis deve subir menos em 2022. Entenda como ficará o mercado
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News