Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home em foco Defesa do ex-ministro da Justiça Anderson Torres não vai fazer delação premiada

Compartilhe esta notícia:

A defesa de Anderson Torres comentou nessa sexta-feira (12) a soltura do ex-ministro da Justiça do governo Jair Bolsonaro (PL). Torres estava preso desde janeiro, por suposta omissão nos atos golpistas promovidos por bolsonaristas radicais em Brasília.

Em entrevista, o advogado Eumar Novacki criticou os ataques antidemocráticos de 8 de janeiro, que chamou de “odiosos” e de “baderna”, e descartou a possibilidade de Torres fechar um acordo de delação premiada.

“Não existe essa possibilidade de delação. O que o Anderson vai fazer é cooperar para que se esclareça o mais breve possível os fatos que levaram àqueles odiosos atos de 8 de janeiro”, disse Novacki.

O defensor de Torres também elogiou as decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) para “frear” a escalada de violência contra as instituições.

“Não podemos aceitar mais esse tipo de manifestação, que viola o estado democrático de direito, é inadmissível, causaram revolta aqueles atos de 8 de janeiro”, disse Novacki.

“Falha técnica”

Questionado sobre o fato de Torres não ter entregue à Polícia Federal (PF) a senha correta de acesso ao celular, o advogado do ex-ministro disse que houve uma “falha técnica conjuntural”. Novacki, no entanto, não quis dar detalhes do problema, porque, afirmou ele, o caso “está em sigilo”.

“Na verdade, ele apresentou as senhas. Um laudo da PF que recebemos de modo sigiloso, nós também respondemos de modo sigiloso, porque houve uma falha técnica. E nos colocamos à disposição. Caso o ministro [Alexandre de Moraes] determine ao perito, nós vamos agir de boa vontade para abrir todas as informações”, declarou o defensor.

Torres forneceu senhas inválidas à Polícia Federal para acessar os dados em nuvem de seu celular, que ele diz ter perdido nos Estados Unidos.

O fato irritou investigadores, porque os advogados de Torres disseram que ele havia passado a colaborar com a apuração, tendo fornecido inclusive as senhas para acesso aos dados.

Soltura

Torres deixou a prisão na noite de quinta-feira (11), após decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF.

Ele estava preso havia quatro meses por suposta omissão nos atos golpistas do dia 8 de janeiro. Na ocasião, ele era secretário de Segurança Pública do Distrito Federal.

Para permitir a liberdade de Torres, o Alexandre de Moraes determinou medidas cautelares, que incluem:

  • uso de tornozeleira eletrônica;
  • proibição de deixar o Distrito Federal e de sair de casa à noite e nos fins de semana;
  • afastamento temporário do cargo de delegado de Polícia Federal;
  • comparecimento semanal na Justiça;
  • entrega do passaporte à Justiça e cancelamentos de todos os passaportes já emitidos para Torres;
  • suspensão de porte de armas de fogo, inclusive funcionais;
  • proibição de uso de redes sociais; e
  • proibição de comunicação com os demais investigados no caso.

Segundo a defesa do ex-ministro, Torres já está usando tornozeleira eletrônica, que colocou ao deixar a prisão.

Investigações

Além de ser investigado por suposta omissão no dia 8 de janeiro, Torres é alvo de apuração sobre operações da Polícia Rodoviária Federal (PRF) nas eleições de 2022 – há suspeita de que a PRF tenha agido para dificultar o acesso de eleitores às urnas, principalmente no Nordeste, onde Lula era favorito suposta criação irregular de pássaros silvestres.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Tribunal Superior Eleitoral lança campanha para estimular regularização eleitoral
Polícia Federal encontra certificados de diamantes sauditas na casa do coronel Mauro Cid
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News