Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Home Mundo Eleição nos Estados Unidos testa combate à recessão

Compartilhe esta notícia:

A menos de uma semana das eleições de meio de mandato nos Estados Unidos, a principal preocupação de Wall Street é quanto a impactos na agenda do governo de Joe Biden em meio aos temores de recessão na maior economia do mundo. Na visão de analistas, uma mudança no comando do Congresso, hoje sob o controle dos democratas, ainda que parcial, poderia dificultar as respostas da sua gestão no combate à inflação e do lado fiscal e ainda comprometer avanços climáticos, uma de suas prioridades, enquanto o resultado do pleito deve ajudar a pavimentar a disputa à Casa Branca em 2024.

Recentes pesquisas de opinião sugerem a possibilidade de uma “red wave”, ou seja, uma onda vermelha (a cor do partido Republicano) na Câmara e no Senado, repetindo os feitos de 1994 e 2010, no dia 8 de novembro. Para o Senado, há disputas-chave nos Estados de Arizona, Nevada, Pensilvânia e Georgia, mostrou pesquisa do The New York Times e Siena College. No mercado, a expectativa é de que ao menos uma das casas, ou a Câmara dos Representantes ou o Senado, mude de mãos.

Para a canadense ANZ Research, há 55% de chances de o Congresso passar a ser controlado pelos republicanos. Já a possibilidade de o Capitólio ficar com o comando dividido, afirma, é de 41%, com os democratas permanecendo à frente do Senado e a oposição assumindo a liderança da Câmara dos Representantes.

Dessa vez, os norte-americanos vão votar para escolher 435 deputados e 35 de um total de 100 senadores, além de alguns governos estaduais e outros cargos municipais e estaduais. Das vagas para o Senado, os republicanos têm 21; e os democratas, 14. As eleições ocorrem a cada seis anos, de forma escalonada, ou seja, um terço dos assentos é renovado a cada dois anos. Já na Câmara dos Representantes, o prazo é fixo e os mandatos duram apenas dois anos.

Para Andra Gillespie, professora associada de ciências políticas da Universidade Emory, nos EUA, uma mudança no poder do Congresso norte-americano pode paralisar parte da agenda de Biden uma vez que os republicanos tendem a adotar uma postura mais resistente. “Mesmo com o controle do Congresso, o governo Biden teve dificuldade para aprovar partes de sua agenda legislativa… Há muita diversidade dentro da coalizão democrata, e muito desacordo sobre quais são os compromissos aceitáveis e a direção de certos atos”, avalia.

Em Wall Street, a leitura indica que a alta da inflação nos EUA fará com que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) suba novamente os juros e os mantenha em um patamar elevado por mais tempo. Com um processo de aperto monetário, os riscos de que a economia dos EUA fará um pouso forçado se sobrepõem às chances de uma aterrissagem suave.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

WhatsApp lança grupos com mais de mil participantes
Preparem-se, diz Trump, que anunciará em breve sua candidatura à Casa Branca
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa