Domingo, 21 de Julho de 2024

Home Porto Alegre Em Porto Alegre, Ceasa retorna à sua sede no bairro Anchieta na próxima semana

Compartilhe esta notícia:

Após funcionar emergencialmente em Gravataí (Região Metropolitana de Porto Alegre) durante mais de um mês por causa das enchentes, a Central de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa-RS) voltará à sua sede no bairro Anchieta (Zona Norte) na próxima segunda-feira (17). O primeiro dia de retorno terá expediente das 12h30min às 18h.

Já na terça (18) terá horário normal em dois turnos, com variações conforme o setor. Alguns espaços internos permanecem indisponíveis, devido a problemas como a falta de energia elétrica e necessidade de avaliação estrutural. É o caso do prédios administrativos e do Galpão de Não Permanentes (GNP), conforme detalhamento no site ceasa.rs.gov.br.

Localizado na avenida Fernando Ferrari nº 1.001 (em uma das regiões mais afetadas na capital gaúcha pela catástrofe ambiental), o complexo da Ceasa sofreu uma inundação que chegou a 2,8 metros em seu pior momento. O jeito foi transferir as operações para o centro de distribuição de uma rede de farmácias no quilômetro 80 da Freeway (BR-290).

A mudança temporária não impediu uma intensa movimentação. Foram comercializadas quase 11 mil toneladas de hortigranjeiros. Das 311 empresas atacadistas, 102 trabalharam no local em algum momento. Quase um terço dos 1.570 produtores cadastrados também conseguiram aderir à estratégia.

O titular da Secretario Estadual de Desenvolvimento Rural (SDR), Ronaldo Santini, enaltece o êxito da iniciativa: “Realizamos uma operação emergencial para que o Rio Grande do Sul não sofresse desabastecimento. A operação foi um sucesso, inclusive ao garantir um local para escoar o que foi produzido no período. Agora avançamos para restabelecer a normalidade das operações”.

Mais de 50 anos

Atualmente Responsável pela distribuição de 54% dos hortifrutigranjeiros comercializados no Rio Grande do Sul, a Central de Abastecimento do Rio Grande do Sul é uma empresa de economia mista fundada em 1973 e vinculada ao governo gaúcho desde 1989, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Rural.

Dentre seus objetivos estão o aspecto social de sua atividade, com orientação e fiscalização do mercado hortifrutigranjeiro. Com isso, atua como centro polarizador de produtores, comerciantes e consumidores.

“A Ceasa proporciona um equilíbrio de preços, em razão da maior oferta, ocasionando o controle da elevação abusiva de preços e combate à formação de monopólios na distribuição de alimentos”, acrescenta o site do órgão.

Outras atividades

– Realização de palestras técnicas sobre comercialização a produtores, universitários dos cursos de Nutrição, Hotelaria, Agronomia e estudantes de Escolas Técnicas Agrícolas.

– Cotação de preços de atacado de hortigranjeiros contendo especificações gerais dos produtos, como peso, tipo de embalagens, preços segundo a qualidade. Isso inclui um sistema de divulgação desses preços por e-mail, telefone e internet.

– Elaboração de grade histórica em volumes e preços médios por produto, cujos principais clientes são as universidades, Secretaria da Fazenda, Emater etc.

– Produção de relatório anual para o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), com processamento das atividades básicas de controle estatístico de entrada que se referem a 700 cargas diárias ou cerca de 182.000 cargas anuais que abastecem a Ceasa com os mais variados tipos de hortaliças, frutas e flores. Depois de processados, esses controles estatísticos servem de base ao cálculo do retorno do ICMs para 119 municípios gaúchos.

– Cadastramento de produtores e o controle dos dados contidos nas declarações de produção são realizados por uma equipe técnica que faz vistorias de lavouras buscando confirmar a produção de alguns permissionários e orientá-los sobre o funcionamento da CEASA.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Porto Alegre

Alvo da Polícia Federal, presidente do Solidariedade é considerado foragido; político comprou helicóptero com dinheiro público
A discussão sobre o aborto após 22 semanas vem ganhando repercussão e reações não só no Legislativo e no Executivo, mas também nas redes sociais
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News