Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Política Em pronunciamento na TV, Bolsonaro critica passaporte vacinal e governadores

Compartilhe esta notícia:

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta-feira (31) a adoção de passaporte vacinal no País e defendeu prescrição médica para a imunização de crianças com vacinas contra a Covid-19. Para especialistas, adotar o comprovante e facilitar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos são medidas necessárias para o enfrentamento da pandemia.

Bolsonaro deu a declaração durante pronunciamento de fim de ano em rede nacional de rádio e TV na noite desta sexta. O discurso foi gravado por Bolsonaro antes da viagem para Santa Catarina, onde ele está de férias.

“Não apoiamos o passaporte vacinal, nem qualquer restrição àqueles que não desejam se vacinar. Também, como anunciado pelo ministro da Saúde, defendemos que as vacinas para as crianças entre 5 e 11 anos sejam aplicadas somente com o consentimento dos pais e prescrição médica. A liberdade tem que ser respeitada”, afirmou o presidente.

Vários países no mundo adotam o passaporte vacinal como medida de combate à pandemia. Diferentemente de outras lideranças políticas, Bolsonaro já afirmou que não tomará a vacina. Ele também declarou que não imunizará a filha de 11 anos de idade.

Corrupção

Alvo de investigação sobre suposta prevaricação na negociação da vacina Covaxin, o presidente afirmou na mensagem de fim de ano que não há corrupção no governo.

“Completamos três anos de governo sem corrupção. Já concluímos, com menor custo, centenas de obras paradas há vários anos”, disse Bolsonaro.

No entanto, diversas investigações envolvendo membros ou ex-membros do governo estão em andamento:

— o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, foi um dos alvos da operação Akuanduba da Polícia Federal, realizada no dia 19 de maio. As investigações apuram suspeita de facilitação à exportação ilegal de madeira do Brasil para os Estados Unidos e Europa. Ele foi exonerado por Bolsonaro um mês depois;
— o servidor do Ministério da Saúde e ex-chefe do setor de importação da pasta Luis Ricardo Miranda disse que identificou suspeitas de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin;
— a CPI da Covid apurou suposto pedido de propina em uma negociação paralela para adquirir vacinas da AstraZeneca contra a Covid, por meio da empresa Davati Medical Supply;
— a CGU detectou irregularidades em uma licitação de R$ 3 bilhões para compra de computadores do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), do Ministério da Educação (MEC), que poderiam gerar prejuízos milionários aos cofres públicos, e recomendou a suspensão do pregão eletrônico.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Mega da Virada 2021: veja as dezenas sorteadas
Mega da Virada: 2 apostas levarão R$ 189 milhões cada; veja os números
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa