Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home em foco Estados Unidos enviam mais equipamentos militares para Ucrânia

Compartilhe esta notícia:

Os Estados Unidos enviaram um novo lote de equipamentos militares para a Ucrânia, informou a embaixada norte-americana no país no fim de semana. Um avião cargueiro pousou no sábado (22) em Kiev com os equipamentos.

“O primeiro envio do ano com assistência para a Ucrânia, recentemente definido pelo presidente [Joe] Biden, chegou no fim da noite. O carregamento inclui cerca de 90 toneladas de materiais letais, entre os quais munições, para os defensores da Ucrânia na primeira linha”, informou a Embaixada, ressaltando que, em 2021, foram enviadas ajudas militares de mais de US$ 650 milhões.

Ainda sobre a sede consular, tanto a emissora “CNN” como a agência Bloomberg informaram que o órgão pediu autorização para o Departamento de Estado para enviar de volta ao país todos os funcionários não essenciais e seus familiares. Há o temor pela segurança deles em caso de deflagração do conflito bélico entre ucranianos e russos.

No entanto, à televisão, o departamento informou que “por enquanto, não há nada para anunciar”, mas que “como sempre, está sendo feito um rigoroso planejamento no caso da situação de segurança se deteriorar”.

A crise entre Rússia e Ucrânia se agrava dia após dia e há o temor de uma nova guerra na região. Enquanto os países ocidentais aliados de Kiev denunciam que Moscou está organizando uma invasão com o envio de milhares de militares para as fronteiras, o Kremlin afirma que não vai atacar o país e que está só preocupado com sua “segurança”.

Reino Unido

No sábado, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, confirmou que se reunirá “em breve” com seu homólogo britânico Ben Wallace. A pauta será focada na crise ucraniana.

Os britânicos estão ao lado dos EUA e da União Europeia em sua defesa de Kiev e fazem parte das negociações de um plano de sanções extremamente duras contra Moscou em caso de invasão.

A Suécia deslocou centenas de tropas para a ilha de Gotland, no Mar Báltico — que é estrategicamente importante. E a Dinamarca reforçou sua presença na região.

As crescentes tensões também reacenderam o debate na Finlândia e na Suécia sobre se deveriam aderir agora à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Mas a principal preocupação no Ocidente — Washington, Otan, Reino Unido e União Europeia — é menos a possibilidade de uma guerra convencional com a Ucrânia, e muito mais, a perspectiva de que Moscou está tentando dividir e desestabilizar a Europa — abalando o equilíbrio do poder continental a favor do Kremlin.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Fórum de Governadores solicita prorrogação de leitos extras e Ministério da Saúde estende o custeio por mais 30 dias
Saiba por que a Nasa está explorando as profundezas dos aceanos
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News