Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Home coronavírus Estudos do CDC mostram que a terceira dose protege melhor contra a variante Ômicron

Compartilhe esta notícia:

Três novos estudos do CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos Estados Unidos destacam a importância de obter a dose de reforço da vacina para fornecer a melhor proteção contra a Ômicron.

Estes são os primeiros dados da vida real a examinar os intensificadores de efeito contra a variante Ômicron da Covid-19, que agora responde por mais de 99% dos casos de coronavírus no país.

Os estudos, divulgados nesta sexta-feira (21), levantam a questão de saber se as pessoas com apenas duas doses de vacina ainda devem ser consideradas totalmente vacinadas.

“Acho que temos que redefinir ‘totalmente vacinado’ aqueles com três doses”, disse William Schaffner, consultor de vacinas de longa data do CDC que não esteve envolvido nos estudos.

Os estudos têm uma abrangência enorme, envolvendo milhões de casos, milhares de atendimentos em departamentos de emergência e centros de atendimento de urgência e dezenas de milhares de internações entre adultos.

O reforço foi 90% eficaz na prevenção de internações durante um período entre dezembro e janeiro, quando a Ômicron era a variante dominante, de acordo com um estudo do CDC que analisou quase 88 mil hospitalizações em dez estados. Em comparação, obter duas doses foi 57% eficaz no período após pelo menos seis meses da segunda injeção.

A vacina extra foi 82% eficaz na prevenção de visitas a salas de emergência e centros de atendimento de urgência, de acordo com o estudo, que analisou mais de 200 mil visitas em dez estados. Em comparação, receber duas doses foi apenas 38% eficaz na prevenção dessas visitas quando já haviam passado pelo menos seis meses da segunda aplicação.

“Acho que é a terceira dose que realmente dá a você a proteção mais sólida”, disse Schaffner. Esse estudo foi publicado nesta sexta-feira (21) no MMWR (Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade) do CDC.

Um segundo estudo, também publicado no MMWR, concluiu que pessoas com três doses eram menos propensas a serem infectadas com a Ômicron. Analisando dados de 25 departamentos de saúde estaduais e locais, os pesquisadores do CDC descobriram que, entre os que receberam reforço, havia 149 casos por 100 mil pessoas, em média, a cada semana. Para aqueles que tomaram apenas duas doses, foram 255 casos por 100 mil pessoas.

Um terceiro estudo, publicado na revista científica JAMA, mostrou que ter dose de reforço ajudou a evitar que as pessoas adoecessem com a Ômicron. Esse estudo avaliou pouco mais de 13 mil casos da variante nos EUA e descobriu que as chances de desenvolver uma infecção sintomática eram 66% menores para pessoas que receberam reforço em comparação com aquelas que receberam apenas duas injeções.

Todos os três estudos descobriram que pessoas não vacinadas enfrentaram os maiores riscos de adoecer gravemente com Covid-19. O CDC diz que uma pessoa é considerada totalmente vacinada quando recebe suas vacinas primárias contra o Covid-19 — duas semanas após receber a segunda dose de uma vacina de mRNA ou duas semanas após a primeira dose da vacina Johnson & Johnson.

As doses de reforço são recomendadas para todos com 12 anos ou mais. Menos da metade dos elegíveis para receber doses de reforço receberam uma, e apenas cerca de 25% da população total dos EUA está totalmente vacinada e reforçada, de acordo com dados do CDC. Quase 20% da população dos EUA elegível para ser vacinada ainda não recebeu nenhuma dose da vacina contra o coronavírus.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de coronavírus

Renúncia fiscal com PEC sobre energia e combustível pode chegar a R$ 240 bilhões
Detentos incendeiam colchões em motim na Penitenciária de Uruguaiana, na Fronteira Oeste
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde