Domingo, 07 de Agosto de 2022

Home Esporte Futuro de Neymar passa por nova função tática; entenda

Compartilhe esta notícia:

Neymar chegou ao Paris Saint-Germain como atacante aberto pela esquerda, em 2017. Cinco temporadas depois, pode deixar o clube como parte de uma guinada que os franceses miram atendendo pedido do novo dono do vestiário, Kylian Mbappé, diferente de quando chegou. Sairá mais como meia.

O destino mais lógico, além do Barcelona, com quem já possui história, seria a Premier League. É onde estão alguns dos clubes mais ricos do futebol mundial, com capacidade financeira para custear um astro do tamanho do brasileiro.

Ao menos um lobby já existe para isso acontecer. Thiago Silva, em entrevista nas férias, afirmou que torce para o Chelsea contratar o brasileiro. Os dois foram companheiros no Paris Saint-Germain e jogam juntos na seleção brasileira desde 2010. O treinador também é velho conhecido de Neymar: o alemão Thomas Tuchel treinou o brasileiro no Parque dos Príncipes por duas temporadas.

No aspecto tático, de respeito às características do Neymar atual, provavelmente Tuchel seria o melhor nome para Neymar escolher como treinador. Afinal, foi o alemão quem começou a migrar o camisa 10 para uma posição mais centralizada em campo, com maiores responsabilidades na distribuição das jogadas.

Não por coincidência, foi a partir de 2019 que o jogador passou a dar mais assistências e a marcar menos gols. Não foram apenas questões físicas ou de lesão. Era Neymar se transformando em termos táticos também. Tite não foi o responsável pela mudança, mas abraçou o novo Neymar completamente. Em entrevista ao podcast Sexta Estrela, do ge, afirmou que o jogador atuará centralizado na Copa do Mundo do Catar. E ainda criticou quem insistir a escalá-lo de outra forma:

“Se um técnico escala o Neymar pelo lado da equipe, eu assistindo ao jogo vou chamá-lo de burro. Um jogador com essas qualidades, colocar de banda, restringe muito a capacidade criativa dele”.

O problema para Neymar é que, na Premier League, os meias geralmente possuem mais obrigações defensivas do que o camisa 10, no alto de seus 30 anos, está acostumado a ter. Kevin de Bruyne, provavelmente o melhor meia que atua no futebol inglês, tem participação ativa quando o Manchester City não tem a bola. Thiago Alcântara, do Liverpool, também. Philippe Coutinho, que ocupa atualmente faixa de campo bem parecida com a de Neymar nas últimas temporadas, costuma ter mais contribuições defensivas no Aston Villa.

Certeza de novo técnico

Neymar, pela qualidade que tem, não deve se preocupar com minutos em campo na próxima temporada. Seja no PSG, seja em outro clube. A meta, pelo menos na primeira metade, será chegar saudável e com ritmo de jogo para a Copa do Mundo do Catar. O que pode fazer a diferença é a maneira que será aproveitado em termos táticos nos próximos meses.

Mesmo se permanecer em Paris, ele será comandado por um novo treinador. A saída de Mauricio Pochettino é considerada iminente. Os dirigentes esperam acertar a rescisão contratual para anunciar o técnico Christophe Galtier, que estava no Nice. Com o Lille, foi campeão francês na temporada 2020-2021, em cima justamente do PSG de Neymar.

A própria transformação de Neymar será testada, caso o PSG abra mão do craque. Como atacante, era dos mais valiosos do mundo, em 2017. Não se sabe a leitura que o mercado faz do brasileiro na sua versão atual.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Esporte

20 anos do penta: relembre a conquista da seleção brasileira no Japão
Brasil vence Coreia do Sul e conquista vaga nas finais da Liga das Nações de Vôlei feminino
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News