Sexta-feira, 01 de Julho de 2022

Home Leandro Mazzini Gol dos cartolas

Compartilhe esta notícia:

Sem tradição nacional no futebol, os times de Brasília vão ganhar aporte mensal, um presente milionário, para turbinar os clubes que orbitam entre as Séries C e B. O Projeto de Lei da nova Loteria do DF prevê, no Artigo 6º, que 5% da arrecadação de cada premiação sejam repassados a times do território. Ganha o torcedor, e ganham mais ainda dois expoentes políticos que vivem no alambrado.

Arquibancada

Marido da deputada Paula Belmonte (Cidadania), o empresário Luiz Felipe Belmonte é dono do Real Brasília. O Brasiliense, mais premiado da capital, é de propriedade do ex-senador Luiz Estêvão. Um golaço da dupla, nota quem assiste da arquibancada.

Intrépido

A segurança presidencial está possessa com o chefe. Na terça-feira à noite, dia 3, na Vila Planalto – bairro atrás do Palácio –, o Corpo de Bombeiros bloqueou o trânsito para socorrer um motoqueiro da comitiva. Quem estava no grupo, confidencia que era o intrépido piloto Bolsonaro.

Manobra

É fato que João Doria não é palatável à parte do PSDB – a oposição é natural e ocorre com os presidenciáveis nos partidos. Mas nesse caso só falta o tucano sofrer assalto à mão armada, tamanha a manobra para lhe tirarem da disputa. Não há precedente no ninho de um vencedor de prévia ser barrado numa disputa presidencial.

Fundão

O golpe surgiu da turma que quer acesso ao fundo eleitoral, e vislumbra fechar aliança com um eventual Governo de Lula ou Bolsonaro, por altos cargos na gestão. Nessa tentativa, usaram de bucha até o governador gaúcho Eduardo Leite. Primeiro, nas prévias; e depois, em visitas a Doria.

Linha tênue

As trocas no comando da Petrobras chegaram à linha tênue que separa o bom senso do rompimento entre chefe e subordinado. Jair Bolsonaro e Paulo Guedes têm trato de o presidente não se meter no preço dos combustíveis. Mas virou questão de sobrevivência. Como revelou a Coluna, Bolsonaro perdeu o controle até dos seus conselheiros na administração.

Roland Garros

A Missão Passeio a Paris não ficará apenas na dupla de servidores André Barbosa e Marcelo Magalhães. O ministro da Cidadania, Ronaldo Bento, decidiu também embarcar para a França — e levou junto a chefe do Cerimonial, Carolina Campos. Com tudo pago por você, eles prestigiam evento na Normandia e depois curtem o torneio Roland Garros.

Nada ou ninguém

No Podemos, Sergio Moro era tratado como rei e (real) candidato ao Planalto. Agora orbita entre ser nada ou ninguém na corrida eleitoral, e pode ter sido vítima de um plano muito bem engendrado. Uma vez candidato, ele tiraria votos do presidente. Entre portas, há quem indique que o controlador do União Brasil, Luciano Bivar, está fechado com Bolsonaro, e ambos combinaram de excluir Moro da disputa.

Na ‘ativa’

O general Villas Bôas, a despeito da saúde debilitada, continua ativo no cenário político. O instituto que leva seu nome, aliado aos institutos Sagres e Federalista, lançaram o Projeto de Nação, no setor militar em Brasília.

Outro Cabral

A Casa Alta é um museu à parte. Mas há quem exagere. Os que chegam à Liderança do Podemos no Senado veem um busto de bronze que remete à figura de Pedro Álvares Cabral.

Bolsas

Até o dia 31 de maio, estão abertas as inscrições para o Programa de Formação em Gestão de Pessoas (PFGP), destinado a servidores públicos. Há seis bolsas para candidatos de acordo com critérios de diversidade e outras 12 para times de gestão de pessoas. Mais informações estão em http://fjp.mg.gov.br/programa-de-formacao-em-gestao-de-pessoas/

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Leandro Mazzini

Missões oficiais
Última cartada
Deixe seu comentário
Pode te interessar

Leandro Mazzini Blefe de Jefferson

Leandro Mazzini Lupa na mão

Leandro Mazzini Intensivão para urna

Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde