Terça-feira, 05 de Julho de 2022

Home Economia Governo avalia aumentar proposta de auxílio caminhoneiro de 400 reais para até 1 mil reais por mês

Compartilhe esta notícia:

Depois da reação negativa dos caminhoneiros com a proposta do governo Bolsonaro de criar um “auxílio caminheiro” de R$ 400 por mês, até o fim deste ano, a cúpula do Palácio do Planalto articula com o Congresso a possibilidade de aumentar esse valor. A pressão é para que o repasse seja expandido para até R$ 1 mil por mês, mas o valor não está definido até o momento e está em estudo.

A informação é do deputado Altineu Côrtes, que é líder do PL no Rio de Janeiro, partido do presidente Jair Bolsonaro. “Tem que ser R$ 1 mil”, declarou à reportagem, ao confirmar as negociações em torno de um novo valor.

Na terça (21), governo e parlamentares sinalizaram a ideia de incluir a criação do auxilio-caminhoneiro e o aumento do vale-gás na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) em tramitação no Congresso Nacional para compensar Estados pela redução do ICMS dos combustíveis. As primeiras sugestões eram de um benefício de R$ 400 para compensar a categoria pelos aumentos recentes no diesel. A ideia era ter como referência o valor pago no Auxílio Brasil.

A reação contrária dos caminhoneiros, porém, foi imediata. O presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, afirmou que a decisão do governo de pagar um auxílio de R$ 400 por mês para os caminhoneiros, como forma de enfrentar a alta do diesel, é uma afronta à categoria, que não quer receber esmola, e sim uma solução estrutural.

“Isso é uma grande piada. O caminhoneiro não precisa de esmola, precisa de dignidade para poder trabalhar. O governo tem que parar de dar chilique e tomar atitude de verdade, encarar o problema com seriedade”, afirmou Landim.

Não está claro ainda de onde sairia o dinheiro, mas o fato é que, com a PEC, o governo poderia utilizar o atalho de decretar um “estado de emergência” no País e, dessa forma, driblar os limites impostos pelo teto de gastos, trava que limita aquilo que o governo pode gastar.

Técnicos fazem as contas agora para estimar o impacto da medida. Além do auxílio, a equipe econômica também sugeriu aumentar o vale-gás para a população de baixa renda. O valor para os gastos estaria limitado e definido na PEC. O custo dessas medidas em estudo, até agora, era de R$ 6 bilhões (R$ 2 bilhões para o vale-gás e R$ 4 bilhões para o bolsa-caminhoneiro), considerando o valor inicial de R$ 400 por mês. A medida valeria até 31 de dezembro.

Segundo apurou a reportagem, o ministro da Economia, Paulo Guedes quer que o pacote de bondades do governo relacionado aos combustíveis – incluindo a medida que estabelece um teto para o ICMS e compensa os Estados que zerarem a alíquota para o diesel e o gás de cozinha – custe até R$ 50 bilhões, valor que ficará fora do teto de gastos, regra fiscal que impede o crescimento dos gastos acima da inflação.

Até o momento, a conta está em R$ 46,4 bilhões. O relator no Senado das propostas do governo para baratear os combustíveis, senador Fernando Bezerra (MDB-PE), estimou que o governo gastará pelo menos R$ 29,6 bilhões para compensar, fora do teto, os Estados que zerarem as alíquotas do diesel e do gás de cozinha. Outros R$ 16,8 bilhões se referem as estimativas sobre quanto o governo federal vai abrir mão de receitas para zerar tributos federais sobre a gasolina.

Há dúvidas ainda, no entanto, se a criação desse auxílio aos caminhoneiros pode ser viabilizada. O próprio presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), chegou a afirmar que é preciso verificar se há algum tipo de vedação legal para criar o voucher destinado aos caminhoneiros. No caso do vale-gás, que também foi anunciado pelo governo, trata-se de uma ampliação de um programa que já existe, o que não apresentaria impedimento.

Nos cálculos do presidente da Abrava, o valor original de R$ 400 seria o suficiente, hoje, para colocar aproximadamente 45 litros de diesel em um caminhão, em qualquer região do País. “Um caminhão faz entre 1,8 km e 2,2 km por litro. Isso quer dizer que o governo que R$ 400 dá para andar 90 quilômetros em um mês, quando todo trabalho envolve longas distâncias. É inacreditável o que esse governo está fazendo”, disse Wallace Landim.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Câmara dos Deputados adia votação de projeto que regula criptomoedas no Brasil
Justiça decreta prisão preventiva de homem que espancou procuradora em São Paulo
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada