Sexta-feira, 12 de Julho de 2024

Home Mundo Governo Milei enfrenta protesto após tirar agência estatal do ar e suspender funcionários na Argentina

Compartilhe esta notícia:

Os cerca de 700 funcionários da agência estatal de notícias da Argentina, a Télam, foram surpreendidos com um e-mail na madrugada desta segunda-feira (4) em que foram dispensados de trabalhar pelos próximos 7 dias. A agência em Buenos Aires, amanheceu fechada e cercada por grades e policiais.

O site com todo o arquivo de notícias está fora do ar, exibindo a mensagem: “A página que você tenta ver se encontra em reconstrução”.

O porta-voz da Presidência, Manuel Adorni, disse em coletiva de imprensa que a medida foi tomada enquanto o governo avalia os próximos passos para o fechamento da agência, prometido por Javier Milei na campanha eleitoral e anunciado na última sexta-feira (1°), no discurso de abertura do ano legislativo.

Diante de parlamentares, Milei alegou que a agência era usada como “propaganda kirchnerista”, em referência ao partido político de oposição liderado pela ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner.

Adorni complementou que a empresa é “deficitária” e que o fechamento era uma promessa de campanha de Milei, que promove o corte de gastos públicos.

A empresa conta com correspondentes ao longo do território argentino e desde 1945, com interrupções devido a determinações políticas, e abastece com textos e fotos os meios de comunicação do país.

Jerónimo Rojas, funcionário da Télam e líder sindical do Sindicato de Imprensa de Buenos Aires (SiPreBA) que estava no protesto desta tarde, afirmou que os trabalhadores montarão uma barraca e vão acampar diante do edifício “até a situação se reverter” e todos possam voltar aos seus postos.

Para o SiPreBA, a medida é um ataque à democracia e à liberdade de expressão.

“A Télam não é uma empresa que precisa garantir lucro, mas sim o pluralismo, o federalismo e a informação para garantir a democracia. Milei quer calar as vozes e que os meios de comunicação hegemônico levem adiante a agenda jornalística”, destacou.

Jornalistas credenciados na Casa Rosada, sede do governo argentino, se manifestaram com um pronunciamento e cartazes de “A Télam não se fecha” durante a coletiva de imprensa do porta-voz de Milei, na manhã desta segunda, em solidariedade aos trabalhadores da Télam.

Já a Associação de Correspondentes Estrangeiros da Argentina enfatizou “a necessidade de o país ter uma agência de notícias estatal, e não governamental, que garanta aos cidadãos o acesso a uma informação plural e apoie a divulgação de notícias que, por razões óbvias, não costumam interessar à mídia comercial”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Governo Lula é criticado por livro “erótico” em escolas; aprovação ocorreu na gestão Bolsonaro
Gestão Lula pretende ceder ou vender 1.000 imóveis do governo até o fim do mandato
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde