Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Home em foco Igreja Católica não consegue deter politização de padres, que anunciam apoios a Lula e Bolsonaro

Compartilhe esta notícia:

Manifestações políticas de padres e bispos nesta eleição têm causado mal-estar na Igreja Católica, contrariando a tradicional orientação ao clero para evitar o proselitismo político. Enquanto cresce o número de religiosos católicos manifestando apoio a Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ou Jair Bolsonaro (PL), a cúpula da Igreja no País sobe o tom contra o uso político da religião.

A diretriz da Igreja para os padres tem sido a de não pedir votos dentro ou fora dos templos, mas defender valores caros aos católicos, como o combate à pobreza, a oposição à legalização do aborto e a defesa da democracia. No entanto, é com base nesses valores que muitos justificam tomar partido de um dos candidatos.

O uso da religião na eleição aflige a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que tem criticado essa tendência, mas não consegue impedir a politização de sacerdotes. A preocupação aumentou após a tumultuada visita de Bolsonaro a Aparecida (SP), na semana passada.

A tática de trazer o debate da disputa presidencial para o campo religioso foi iniciada por Bolsonaro e, depois de alguma resistência, abraçada pela campanha de Lula no intuito de contrapor acusações como a de que fecharia igrejas e perseguiria sacerdotes. Com isso, uma série de religiosos católicos se juntaram a pastores evangélicos na disputa política, atuando nos dois lados.

O bispo emérito de Uruaçu (GO), Dom José da Silva Chaves, gravou vídeo pedindo voto para Bolsonaro e pregando contra “o candidato que defende o comunismo ateu”, em suposta alusão a Lula, que não é ateu nem comunista. Do outro lado, o padre Júlio Lancellotti, pároco da Igreja de São Miguel Arcanjo, na Zona Leste de São Paulo, tem feito postagens em favor de Lula em seu perfil no Twitter, onde reúne mais de um milhão de seguidores. O religioso, que integra a Pastoral do Povo de Rua, declarou abertamente voto no petista e, durante a campanha no primeiro turno, defendeu que “Lula não fecha igrejas”.

“Não é justo”

O arcebispo de Manaus, Dom Leonardo Steiner, nomeado cardeal em agosto pelo Papa Francisco, critica manifestação de voto por parte do clero: “Não é tarefa de bispos e padres. Nossa tarefa é estimular as pessoas a votarem. Não é conveniente nem justo usar a religião como estão usando, não só entre católicos, mas também em outras igrejas. É ruim colocar a religião em jogo para defender candidatura, não pode ser usada para isso”.

Dom Roberto Francisco, bispo de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, diz que a polarização e a violência política no Brasil preocupam o Papa. Segundo ele, a inquietação do pontífice foi externada este mês em evento em Roma: “O Papa disse que a polarização é um problema sério. Para ele, sacerdotes estão na Igreja para facilitar o discernimento, não para optar. Em vez de homilias para dirigir votos, nossa função é esclarecer valores que devem iluminar o voto”.

A CNBB, que evita citar candidatos, publicou nota na véspera da visita de Bolsonaro a Aparecida, poucos dias depois de ele ter ido ao Círio de Nazaré, no Pará: “Lamentamos, neste momento de campanha, a intensificação da exploração da fé e da religião como caminho para angariar votos no segundo turno. Momentos especificamente religiosos não podem ser usados por candidatos para apresentarem propostas de campanha”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Vagas para trabalhadores com mais de 50 anos caem 32%
Imposto de Renda: veja como receber de volta valores pagos referentes à pensão alimentícia
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde