Domingo, 03 de Março de 2024

Home em foco Israel faz pedido da nova pílula contra o coronavírus da Pfizer

Compartilhe esta notícia:

Israel encomendou 100 mil unidades do antiviral da Pfizer contra Covid-19 para pessoas com 12 anos ou mais em risco de doença grave, disse uma autoridade israelense neste fim de semana e cuja informação foi confirmada por uma rede de televisão.

Segundo o Canal 12, o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, teria concordado com o acordo por meio de uma conversa por telefone com o CEO da Pfizer, Albert Bourla. Não houve confirmação imediata da empresa.

O primeiro tratamento oral e em casa para Covid-19, Paxlovid foi cerca de 90% eficaz na prevenção de hospitalizações e mortes em pacientes com alto risco de doença grave, de acordo com dados do ensaio clínico da Pfizer.

Dados laboratoriais recentes sugerem que a droga mantém eficácia contra a variante Ômicron.

Paxlovid

A Food and Drug Administration (FDA), agência reguladora americana equivalente à Anvisa, autorizou na semana passada o uso emergencial da pílula da Pfizer contra covid-19. A recomendação de administração do Paxlovid nos EUA é para pacientes adultos e pediátricos (maiores de 12 anos com ao menos 40kg) com covid que tenham alto risco de desenvolver quadros graves da doença.

Essa não é a aprovação definitiva. A farmacêutica declara que pretende fazer o pedido de registro de novo medicamento (NDA, na sigla em inglês) em 2022 para esse tratamento oral.

“A autorização do Paxlovid representa outro tremendo exemplo de como a ciência nos ajudará a derrotar esta pandemia”, disse Albert Bourla, CEO da Pfizer Inc, em nota. “Essa terapia inovadora, que demonstrou reduzir significativamente as hospitalizações e mortes, pode ser tomada em casa e mudará a forma como tratamos a covid e, esperançosamente, ajudará a reduzir algumas das pressões significativas enfrentadas por nossos sistemas de saúde.”

Segundo a empresa, a agência americana baseou a decisão nos dados dos estudos clínicos de fase 2/3. Os testes indicaram que a pílula produzida pela farmacêutica reduziu em 89% o risco de internação e morte em decorrência da doença entre os adultos mais vulneráveis ao vírus, tratados dentro de três dias após o início dos sintomas.

A maior parte dos eventos adversos foram de intensidade leve. A empresa já disse que o medicamento é eficaz também em quadros causados pela nova variante Ômicron. A Pfizer declarou esperar que o regime posológico (maneira como um medicamento é administrado) aprovado surta efeito também em pessoas com 12 anos ou mais, que tenham ao menos 40 kg. Porém, destaca, os ensaios clínicos não contaram com pacientes com menos de 18 anos.

A farmacêutica assegurou estar pronta para começar a entrega imediata do medicamento nos Estados Unidos (EUA). A Pfizer firmou acordo de entrega de 10 milhões de tratamentos até o final do próximo ano, com o governo americano. A empresa informou também que elevou sua projeção de produção. De 80 milhões tratamentos, agora, com novos investimentos, pretende manufaturar 120 milhões em 2022.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mais de 70 municípios baianos estão em situação de emergência por causa das chuvas
Quatro razões pelas quais a União Soviética entrou em colapso há 30 anos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada