Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022

Home Economia Mercado erro tudo que previu para 2021. O que aconteceu com a economia

Compartilhe esta notícia:

Quem olhou o Boletim Focus no dia 31 de dezembro de 2020 foi dormir tranquilo. Segundo a última previsão do ano passado, 2021 teria inflação de 3,32% — dentro da meta de 3,75% —, crescimento de 3,40% do PIB (Produto Interno Bruto) e Selic em míseros 3% ao ano. Um paraíso se comparado aos números de hoje. O que aconteceu?

O otimismo era justificável. Após queda de 4,1% na atividade econômica provocada pela pandemia, a promessa de avanço na vacinação e nas reformas provocou euforia nos mais de 100 economistas do mercado financeiro que formulam o Boletim. “Se o governo não fizer nada cresce 3%”, especulava-se.

Novas variantes da covid-19, descontrole inflacionário e fiscal fizeram cair por terra todas as previsões, e agora 2021 vai terminar com ar melancólico na economia.

PIB

A soma de todos os bens e serviços produzidos no país recuou pela segunda vez seguida no segundo trimestre deste ano, o que afundou o país em recessão técnica. Hoje o PIB está 0,1% abaixo do patamar registrado no fim de 2019, período pré-pandemia, e 3,4% abaixo do ponto mais alto da série histórica, no primeiro trimestre de 2014.

Um dos principais fatores que atrasaram a retomada da economia foi a inflação. Como 60% do PIB é consumo das famílias, a alta nos preços diminuiu a intenção de compra e retardou o reaquecimento da atividade econômica.

“Esse elemento [inflação] por si só retrai a demanda interna, o que já pôde ser observado no terceiro e quarto trimestre de 2021. Os índices de comércio, serviços e indústria acabam desacelerando em comparação com 2020”, defende a professora de economia da UFF (Universidade Federal Fluminense), Julia Braga.

Além disso, esse ano foi marcado por uma contração fiscal em relação a 2020, ou seja, gastou-se menos com estímulos para conter a pandemia, como o corte no auxílio emergencial, por exemplo.

O mundo, no entanto, permanece otimista para o ano que vem, o que pode beneficiar o Brasil. O FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê expansão do PIB global para 4,9% em 2022 e de 1,5% para o Brasil.

E se não fosse o “fica em casa”? Será que a inflação estaria melhor?

“A demanda externa pode continuar robusta beneficiando a exportação, mas isso não é suficiente para dinamizar a economia de um país continental como o Brasil”, afirma Braga.

IPCA

Para quem esperava uma inflação de 3,32%, conviver com alta de 10,74% nos preços não é nada fácil. Entre os itens que mais subiram estão: os combustíveis, que acumulam 38,29% de variação no ano; a energia elétrica com alta de 30,27% no ano; e o gás de botijão, que já subiu 37,86% em 12 meses.

A inflação está alta no mundo todo, mas o Brasil se destaca ocupando a 3ª posição entre os países do G20 que mais observaram elevação no índice de preços. Isso porque no ano, além de o real ter desempenho fraco ante ao dólar, sendo a 38ª moeda que mais se desvalorizou no mundo , o Brasil também enfrentou a pior crise hídrica dos últimos 91 anos.

André Braz, coordenador do IPC (Índice de Preços ao Consumidor) do FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas) diz que a inflação brasileira mais forte do que no restante do mundo deve-se à soma de desvalorização cambial com aumento dos preços das commodities.

“Quando há aumento de preço em dólar, o efeito dentro do país que sofreu desvalorização é muito maior, isso desafiou mais o Brasil. Sem contar a crise hídrica, que encarece a conta de luz diretamente, e indiretamente sustenta aumento de preços em outros segmentos como o industrial e de serviços, dado que a energia é um recurso importante para qualquer atividade econômica”, explica.

Outro fator que contribuiu para o “espalhamento” da inflação foi o preço do diesel, que acumula alta de 65,5% nas refinarias em 2021, encarecendo o frete e o transporte público.

Para tentar tomar as rédeas da inflação, o Banco Central elevou a taxa básica de juros Selic para 9,25%, maior patamar desde 2017 . Os juros subiram 7,25 pontos percentuais em 2021, avanço mais expressivo da série histórica.

Ainda assim, economistas dizem que o Copom (Comitê de Política Monetária) está “dormindo no ponto” e deve elevar ainda mais a referência. Com isso, o cenário para investimentos tende a se deteriorar ainda mais, e o mercado começa a falar em recessão em 2022, apesar das estimativas positivas do Ministério da Economia.

Câmbio

Ainda no ano passado, o ministro Paulo Guedes havia dito que o dólar só chegaria a R$ 5 “se o governo fizer muita besteira”. A taxa não só atingiu o ‘patamar da besteira’ no ano passado, como se manteve em 2021. A moeda fechou o ano cotada a R$ 5,57.

Nem os juros altos foram capazes de atrair o capital internacional. A pandemia e os riscos de descontrole fiscal elevaram a cotação da moeda americana e os investidores buscaram reservas de maior segurança. O atraso com as reformas administrativa e tributária, além das manobras para furar o teto de gastos afugentaram o fluxo de capital e pesaram negativamente para o desempenho do real.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

42% dos brasileiros afirmam que a economia vai melhorar em 2022
Veja como fazer seu dinheiro render em 2022: confira os melhores investimentos
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada