Domingo, 22 de Maio de 2022

Home Brasil Ministério Público do Rio de Janeiro colhe novos depoimentos sobre o assassinato de Marielle, quase quatro anos depois

Compartilhe esta notícia:

Entre dezembro e janeiro, o Ministério Público do Rio mobilizou esforços para colher novos depoimentos relacionados à investigação do assassinato de Marielle Franco e Anderson Gomes, motorista da vereadora do PSOL. O crime, cometido em 2018 no Estácio, bairro da Zona Norte carioca, está prestes a completar quatro anos em março, com a segunda fase da investigação ainda em aberto.

Em parte das oitivas, o MP trabalhou na conferência e ampliação de informações já contidas no inquérito policial conduzido pela Polícia Civil e nas apurações da própria promotoria. Até julho de 2021, as promotoras Simone Sibilio e Letícia Emile eram as responsáveis pelo caso. Foram elas que conduziram diligências relevantes que levaram o MP a prender Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz, que respondem pelas execuções desde março de 2019, quando os assassinatos completaram um ano.

Na busca pelo possível mandante, objeto da segunda fase dos trabalhos, promotores à frente do caso dialogaram recentemente com a família da parlamentar e com pessoas que trabalhavam no gabinete dela na Câmara de Vereadores do Rio.

A apuração do MP está, agora, sob responsabilidade do promotor Bruno Gangoni, que assumiu a força-tarefa há sete meses. Na Polícia Civil, em paralelo, os trabalhos estão nas mãos do delegado Alexandre Herdy, que assumiu a Delegacia de Homicídios (DH) da capital fluminense no início deste mês. Ele é o quinto encarregado do caso até aqui.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Novo Hamburgo vacina 390 crianças contra a covid em Canudos neste sábado
“Nós vamos ter que convergir lá na frente”, diz Simone Tebet sobre terceira via de centro
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News