Sábado, 15 de Junho de 2024

Home em foco Mourão explica ausência de Bolsonaro no Planalto: “Está com uma ferida na perna”

Compartilhe esta notícia:

Recolhido no Palácio da Alvorada há duas semanas, desde que foi derrotado nas eleições presidenciais, o presidente Jair Bolsonaro delegou ao seu vice, Hamilton Mourão, a tarefa de receber as cartas credenciais de embaixadores estrangeiros. A justificativa, segundo o senador eleito pelo Rio Grande do Sul, é de que o presidente está com uma ferida na perna que o impede de colocar uma calça.

A cerimônia, que geralmente conta com a participação do chefe do Executivo, foi realizada na manhã desta quarta-feira (16) no Palácio do Planalto.

“É questão de saúde. Está com uma ferida na perna, uma erisipela. Não pode vestir calça, como é que ele vai vir para cá de bermuda?”, afirmou o vice-presidente.

Mourão disse que não tem conversado com o presidente e que Bolsonaro não pediu diretamente a ele para participar da cerimônia, mas que mandou um “recado”.

O vice-presidente ainda disse que é “lógico” que o chefe do Executivo pretende voltar a despachar do Planalto.

Sem aparições

Bolsonaro segue, sem aparições públicas, no Alvorada. Inicialmente, a agenda dele previa um encontro com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. A agenda, contudo, foi atualizada, e não há mais qualquer compromisso previsto. Desde o resultado da eleição, no dia 30 de outubro, quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi eleito, o atual presidente da República só esteve no Planalto duas vezes.

No Alvorada, o presidente tem recebido alguns ministros, assessores e políticos aliados. Nesse período, Bolsonaro fez apenas duas declarações públicas — um pronunciamento e um vídeo publicado em redes sociais — e deixou de fazer as suas tradicionais transmissões ao vivo semanais.

Embaixadores

Na tradição diplomática, a apresentação da carta credencial formaliza o início do trabalho de um embaixador naquele país. Nesta quarta, um dos representantes estrangeiros recebidos no Planalto foi o embaixador da Argentina, Daniel Scioli.

Ele já havia sido embaixador no Brasil por um ano e meio, mas deixou o cargo em junho para assumir o Ministério do Desenvolvimento Econômico. Em julho, contudo, ele deixou a pasta e foi indicado novamente ao posto diplomático em Brasília.

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, é aliado de Lula. Fernández visitou o petista em São Paulo um dia após o segundo turno da eleição, e estava acompanhado de Scioli.

Também foram recebidas as embaixadoras do México, Laura Esquivel; da Dinamarca, Eva Bisgaard Pedersen; e da Finlândia, Johanna Karanko, entre outros representantes estrangeiros.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Recluso após derrota, Bolsonaro planeja viagens pelo país mirando eleições municipais
Procuradoria-Geral da República ouve Carla Zambelli sobre deputada ter sacado arma e perseguido homem em São Paulo
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News