Domingo, 14 de Julho de 2024

Home Brasil Na contramão de movimentos antivacina, brasileiros lutam por maior oferta de imunizantes no SUS

Compartilhe esta notícia:

Alvo de ataques negacionistas durante a pandemia de covid, as vacinas perderam adeptos em várias partes do mundo, mas, no Brasil, ainda têm amplo apoio da população. Enquanto movimentos contra a imunização ganharam força em todo o planeta, entre os brasileiros, no último ano, houve mobilização pela incorporação de novos imunizantes no Sistema Único de Saúde (SUS).

Dados do Ministério da Saúde mostram que, embora as vacinas tenham ampla adesão no país, nos últimos anos as coberturas têm apresentado queda. No caso específico de imunizantes que previnem a meningite, as coberturas variaram entre 57% e 90% da população-alvo.

A maior cobertura é alcançada pela BCG, com 90,06% do público-alvo vacinado em 2022. Depois, vem a pneumocócica, com 81,51%; a meningogoco C, com 78,63%; e a pentavalente (contra difteria, tétano, etc) com 77,24%. A pior cobertura entre as vacinas de meningite é a da meningocócica ACWY, disponível apenas para adolescentes, com somente 57,98% do público-alvo vacinado.

Abaixo-assinados

De janeiro de 2022 a julho deste ano, somente na plataforma Change.org, que reúne abaixo-assinados sobre diversas causas, foram abertas 16 petições para ampliar o acesso aos imunizantes no país. O escopo de pedidos é amplo e inclui desde a disponibilização de vacinas contra o vírus do herpes-zóster até maior conscientização a respeito da vacinação de bebês prematuros.

“Por entender que vacinas salvam vidas e por saber que o calendário vacinal do prematuro é específico, a gente precisa informar que não é sair do hospital e seguir o calendário básico. Tem imunizações específicas para ele”, argumenta Denise Suguitani, diretora da ONG Prematuridade.com.

A nutricionista criou uma petição para buscar promoção de campanhas relacionadas às especificidades do calendário vacinal do prematuro e divulgação dos protocolos de acesso a vacina e pontos de referência no serviço. Outra demanda é pela ampliação da cobertura de vacinas independentemente da quantidade de semanas do bebê prematuro.

O infectologista Eder Gatti, diretor do Departamento de Imunização e Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, afirmou ao Estadão que a pasta analisa a atualização do calendário do PNI, mas que o processo leva em consideração critérios importantes que devem ser observados.

“O processo de incorporação de vacinas precisa obedecer a várias etapas. Primeiro, a gente precisa ter um cenário epidemiológico que justifique a incorporação da vacina. A gente precisa ter a garantia de que o produtor vai abastecer o Brasil, e isso demanda escala. Precisamos de planejamento orçamentário e de transferência de tecnologia, que, muitas vezes, ajuda a garantir abastecimento com produção nacional. Hoje, o programa vislumbra, sim, atualizar seu calanedário, mas essa é uma discussão que deve obedecer todos esses critérios”, explica.

Cobertura vacinal

Gatti argumenta ainda que retomar a cobertura vacinal dos imunizantes que já estão no calendário é fundamental para o sucesso da política de imunização no país. No ano passado, por exemplo, a cobertura da vacina contra a poliomielite ficou em 77,19%, bem abaixo da meta de 95%.

“Antes de discutir qualquer nova incorporação, a gente precisa garantir que, em relação ao que oferecemos no País, a vacinação acontecça numa condição ótima”, disse Gatti. “Neste ano, a gente espera reverter a tendência de queda das coberturas vacinais”.

Para ampliar a cobertura vacinal no país, o Ministério da Saúde está utilizando duas estratégias: o microplanejamento, que consiste em traçar estratégias locais para efetivar a vacinação, e a multivacinação, uma espécie de mutirão para atualizar as cadernetas de vacinação dos brasileiros.

A pediatra e diretora da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Isabella Ballalai, afirma que a pasta precisa garantir que as pessoas que buscam vacinas consigam de fato se vacinar, o que inclui melhorar a dinâmica de funcionamento das unidades básicas de saúde e a formação dos profissionais que estão na ponta.

“Tem na cultura do brasileiro a lembrança de que a vacinação mudou o país, que a gente deixou de ter a mortalidade infantil que tinha. Os avós viram isso, os bisavós, os mais jovens não viram essas doenças, mas têm isso na sua cultura. Temos uma cultura muito sólida de vacinação. É claro que ela foi abalada pelas fake news. Mas, apesar de tudo isso, durante a pandemia, a gente foi um dos países que atingiu cobertura vacinal mais rápido do que muitos países que tinham vacinas antes. A gente precisa ter uma comunicação empática. O ministério precisa mostrar que está preocupado com as pessoas e não com a cobertura vacinal”, pontua.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Quem é o favorito para ser presidente da Argentina? Segundo turno será uma “batalha de rejeições” entre Sergio Massa e Javier Milei
Jornalistas argentinos dizem que ajuda de assessores de Lula foi “fundamental” para Sergio Massa
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News