Domingo, 23 de Junho de 2024

Home Ciência Noite virou dia na Europa: saiba o que a cor de um meteoro pode explicar

Compartilhe esta notícia:

Uma bola de fogo iluminou o céu de Portugal e da Espanha na noite do último sábado (18). O clarão foi visível em diversas regiões e intrigou internautas pela forte cor verde azulada emitida pela rocha espacial. Segundo especialistas, a cor emitida pelo meteoro indica a composição química majoritária do objeto. Neste caso, tratando-se de verde e azul, assume-se que a bola de fogo é composta por magnésio.

Diversos vídeos foram publicados nas redes sociais registrando o clarão que transformou a noite portuguesa em dia por um instante. O meteoro foi visível pouco antes da meia-noite, e pôde ser visto em várias regiões do país, como Porto, Algarve e Miranda do Douro, além de outras partes da Península Ibérica.

Cores

Algumas cores comuns de meteoros são: laranja-amarelado (sódio), amarelo (ferro), azul-verde (magnésio), violeta (cálcio) e vermelho (nitrogênio e oxigênio atmosféricos).

Cometa

A Agência Espacial Europeia confirmou que a bola de fogo era um pedaço de um cometa que passou voando sobre a Espanha e Portugal, viajando a cerca de 100.000 milhas por hora, ou cerca de 65 vezes mais rápido do que a velocidade máxima de um caça Lockheed Martin F-16. A ESA acrescentou que o meteoro provavelmente queimou sobre o Oceano Atlântico a uma altitude de cerca de 60 quilômetros acima da Terra.

Estrelas cadentes como a que foi vista na Europa são pedaços de material que se desprendem de corpos maiores como asteroides, cometas e até outros planetas. O atrito desses fragmentos com a atmosfera no período de entrada na Terra faz com que brilhem intensamente, tornando-se meteoros por alguns breves segundos, criando uma trilha luminosa.

Meteorito

O meteorito que contém magnésio é conhecido como “meteorito de ferro-níquel com inclusões de olivina”. Olivina é um mineral que contém magnésio e ferro em sua composição, sendo comumente encontrado em meteoritos. Um exemplo específico é o meteorito denominado “Pallasite”, que é uma classe de meteoritos estonatos com uma matriz de ferro-níquel contendo cristais de olivina.

Os pallasitos são conhecidos por sua beleza devido aos cristais de olivina translúcidos que são frequentemente cortados e polidos para uso em joias e exposições. Estes meteoritos fornecem informações valiosas sobre a composição do manto e do núcleo de planetesimais diferenciados, e seu estudo ajuda a compreender melhor a formação e evolução do sistema solar.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Smartphones podem durar até 7 anos; veja como manter o seu funcionando
Um quarto dos afetados pela tragédia no Rio Grande do Sul pode sofrer transtorno mental
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde