Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2024

Home Economia O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo reagiu ao edital que quer derrubá-lo do cargo

Compartilhe esta notícia:

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Josué Gomes, reagiu ao edital que marcou uma assembleia para a próxima semana com a intenção de destituí-lo, e agendou uma reunião da entidade para o dia 16 de janeiro. Ao longo dos últimos dias, Josué ouviu presidentes de sindicatos que não assinaram o pedido de convocação do encontro, protocolado por sindicados de menor porte que fazem oposição ao empresário.

Eles sugeriram a Josué que a melhor estratégia para se contrapor ao movimento seria marcar uma assembleia para janeiro para ter mais tempo para ampliar o debate sobre o assunto. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, parte dos 86 sindicatos que assinaram a convocação da assembleia está “desavisada” e que, por isso, é preciso chamá-la para a mesa na tentativa de reverter a situação.

A assembleia do dia 21 foi convocada após o atual presidente ter se negado a marcar o encontro depois da notificação de sindicatos recebida inicialmente em novembro.

No edital publicado na última quinta-feira (15) e assinado por Josué, há os itens que serão debatidos na assembleia – na prática, os mesmos pontos que tinham sido listados pelas 86 agremiações patronais oposicionistas. Esse grupo de entidades teria sido “pego de surpresa” com o a publicação. A Fiesp não comentou o caso.

O objetivo da assembleia convocada por Josué é para que ele preste esclarecimentos sobre reuniões em Brasília e a assinatura de manifesto pró-democracia ainda durante as eleições. O aval da entidade ao documento causou mal-estar entre os filiados, com a avaliação de que se tratava de um apoio à eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A menos que Josué renuncie ao cargo, a única maneira de outro presidente assumir a Fiesp é por meio de uma assembleia.

Hoje, há três candidatos para substituir Josué Gomes: Rafael Cervone Netto, primeiro-vice-presidente e figura muito próxima a Paulo Skaf, que liderou a entidade por quase duas décadas e foi apontado como articulador do “levante” contra Josué; Dan Ioschpe (da Ioschpe-Maxion), segundo-vice-presidente; e Marcelo Campos Ometto, terceiro-vice-presidente, também poderiam assumir.

Ainda não está claro qual edital irá prevalecer. O entendimento, nos bastidores, é de que o assunto poderá caminhar para uma judicialização.

Convite

No meio desta semana, Josué esteve em Brasília (DF) para uma reunião com Lula e foi convidado para assumir o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, que será recriado no novo governo.

O momento é de grande divisão na Fiesp. Um dos incômodos é o de que, em sua maioria, as entidades que fazem parte da federação (112, no total) são de pequeno porte – nos bastidores são chamadas de “sindicatos de gaveta”. Um dos movimentos é para que o estatuto da entidade seja revisto após a crise.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Grêmio anuncia a contratação do atacante Gustavinho
O presidente do Banco Central lançou uma série de alertas ao futuro ministro da Fazenda e ao indicado para presidir o BNDES
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa