Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

Home Economia Presidente do Banco Central diz que Lula é mais paciente nas conversas, Bolsonaro era mais disperso

Compartilhe esta notícia:

Com apenas duas reuniões com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva – uma ainda durante o governo de transição -, o presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, já conseguiu identificar uma grande diferença entre o petista e o antecessor, Jair Bolsonaro, que o escolheu para comandar a autoridade monetária. Lula é melhor ouvinte do que o ex-presidente, conforme relatou ao programa da TV Globo “Conversa com Bial”, exibido na madrugada desta terça-feira (03).

“Eu só conversei com Lula duas vezes. Uma no final do ano passado [durante o governo de transição] e agora mais recentemente. Lula gasta mais tempo prestando atenção no que você fala e dedica mais tempo, tem mais paciência para as conversas”, descreveu Campos Neto, que se reuniu com o presidente pela primeira vez depois de eleito na semana passada, após quase nove meses de mandato.

“Bolsonaro era mais rápido. Eu sempre sabia que, quando tinha uma conversa com Bolsonaro, eu tinha três minutos para falar alguma coisa. Depois ia ser mais difícil porque ele ficava mais disperso.”

O presidente do BC disse que aprendeu a identificar e a se comunicar de acordo com a característica de cada um deles. O encontro no Palácio do Planalto com Lula durou 1h30 e Campos Neto disse que ouviu mais do que falou.

“Achei que, desta vez, era mais importante ouvir mais e falar menos”, disse ele, que foi muito criticado por Lula por demorar a iniciar os cortes da taxa básica de juros. O presidente chegou a chamar Campos Neto de “esse rapaz”, “esse cidadão”, e o descreveu como alguém que não entendia muito do Brasil e dos brasileiros.

O comandante da autoridade monetária diz ser “possível” que outras reuniões aconteçam, mas explicou que nada ficou previamente marcado. Campos Neto voltou a dizer que, desde o começo do atual mandato, sempre se colocou à disposição para conversar com Lula e que decidiu mandar um ofício solicitando um encontro para ter registro e não deixar parecer que fosse uma resistência de sua parte. “O presidente da República é o presidente da República, é importante a gente conversar, ouvir o outro lado”, justificou.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Comércio gaúcho aposta em crescimento das vendas no Dia das Crianças
Rio Grande do Sul sedia evento nacional sobre desastres e emergências
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News