Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Home em foco “Putin calculou mal a reação de russos e ucranianos”, diz autor de biografia do presidente russo

Compartilhe esta notícia:

O jornalista americano Steven Lee Myers, chefe do escritório do The New York Times em Pequim (China), foi correspondente do jornal em Moscou de 2002 a 2007 e de 2013 a 2014, quando observou tanto a ascensão de Vladimir Putin, ponto de partida de seu elogiado “O novo czar”, lançado nos EUA em 2015, com edição no Brasil pela Amarilys, quanto a anexação da Crimeia, na primeira invasão da Ucrânia pelo país vizinho.

Em entrevista, o jornalista falou sobre a trajetória singular de Putin, seus erros de cálculo na invasão da Ucrânia, a possibilidade de mudança de governo em Moscou, entre outros tópicos.

1) O que mais o impressionou em Putin?

O quão extraordinária foi a ascensão dele. Putin cresceu pobre na União Soviética e entrou na KGB com uma noção muito romântica de sua função de servidor público. Ele é um exemplo de sucesso da educação soviética e jamais demonstrou ter ambição política, nem tinha real conexão com a elite do país, até o colapso da URSS.

Putin chegou em Moscou em 1996 para exercer um cargo burocrático de baixo escalão e, três anos depois, se tornou presidente, sem nunca antes ter disputado cargo eletivo. Ora, se tivesse acontecido nos EUA, teríamos um nome para isso: alguém que viveu o “sonho americano”.

2) O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, não aparece em seu livro, que termina em 2014. O senhor acredita que Putin o subestimou?

O mundo inteiro está impressionado com a coragem e a liderança demonstrados por Zelensky. Ele se comunica de forma direta e efetiva com os ucranianos e com o Ocidente, mas também com os russos, e em russo. A experiência anterior dele como ator o ajudou muito.

Putin afirmou que a Ucrânia era governada por drogados neonazistas. Mesmo que tenha se expressado de modo propositadamente exagerado, fica claro que ele não entendeu quem era Zelensky. Ele o subestimou, mas não apenas. Putin também subestimou a capacidade das elites do país vizinho e a determinação do povo ucraniano de defenderem o país deles.

3) Na Rússia, a aprovação de Putin bateu recordes após a anexação da Crimeia. O senhor acredita que ele apostou em algo similar ao ordenar a invasão da Ucrânia?

Foi outro cálculo errado. Putin não acreditou que haveria tamanha reação à invasão, e não só na Ucrânia, mas também na Rússia, onde há profundas dúvidas sobre o que está de fato acontecendo em um país tido como irmão.

4) O protesto da jornalista Marina Ovsyannikova, ao vivo, na televisão, parece ilustrar a falta de unanimidade na opinião pública russa sobre a invasão da Ucrânia. Putin vencerá a guerra de informações internamente?

O que a nova legislação que criminaliza qualquer ato de oposição interna à guerra revela é a preocupação do Kremlin com a falta de apoio maciço à decisão de invadir a Ucrânia. Muitos russos saíram do país em protesto e outros seguirão demonstrando internamente sua oposição à guerra, apesar dos riscos.

5) Com as sanções dos EUA e Europa, a Rússia só tem a China para se apoiar no caso da extensão do conflito. Em análise publicada três dias após a invasão da Ucrânia, o senhor argumentou que o conflito testará os laços entre Putin e Xi Jinping. Quais as semelhanças e diferenças entre os dois líderes?

Eles tiveram de fato muitos encontros privados e celebrações públicas e suas origens são semelhantes. Os dois são da mesma geração —Xi tem 68 anos e Putin, 69 —, e cresceram em sociedades comunistas desconfiadas do Ocidente capitalista. Pequim, no entanto, tem se mostrado dúbia em relação ao conflito.

Xi não condenou a invasão da Ucrânia, mas também não a apoiou oficialmente. Ele parece mirar em como se beneficiar do enfraquecimento dos dois lados, observa muito antes de se mexer em direção a um deles. Sem esquecer, porém, que não pensou duas vezes ao repetir as mensagens de desinformação vindas de Moscou que culpam os Estados Unidos pela guerra.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Sessenta e quatro trabalhadores da usina nuclear fechada de Chernobyl trabalharam por mais de três semanas sem interrupção, enquanto as tropas russas ocuparam a instalação
Petróleo a mais de 100 dólares no Brasil: empresas aceleram investimentos para aumentar a produção
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde