Domingo, 16 de Junho de 2024

Home Brasil Querosene de aviação sobe quase 7,3% no Brasil na primeira semana de novembro

Compartilhe esta notícia:

Após fazer alarde sobre cortes no preço do querosene de aviação (QAV) durante a campanha do primeiro turno das eleições, a Petrobras silenciou sobre aumento no combustível durante o período próximo à votação do segundo turno. A alta foi de 7,27% na primeira semana de novembro, conforme divulgado nesta sexta-feira (4) pela Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Também de acordo com a entidade, que reúne as principais clientes do produto, no acumulado desde janeiro o aumento é de 58,8%.

O QAV tem reajuste mensal. Até as eleições, as companhias aéreas vinham sendo informadas dos índices ao fim de cada mês, sem que a Petrobras divulgasse as mudanças ao mercado ou à imprensa.

Mas no final de agosto, já em meio à campanha eleitoral, a estatal passou a divulgar comunicados sobre esse e outros produtos voltados ao mercado corporativo, como o asfalto. A mudança de estratégia em um período de queda nos preços foi vista como ação eleitoral.

Em 26 de agosto houve corte de 10,4% e no dia 28 de setembro (às vésperas da votação em primeiro turno), a Petrobras voltou a divulgar comunicado sobre corte no preço do combustível de aviação, desta vez em 0,98%. Nos dois casos, a empresa disse estar acompanhando a queda das cotações internacionais.

Se mantivesse a mesma política de divulgação, teria publicado um informe com a alta de 7,27% na véspera da votação em segundo turno. Mas recuou: o aumento foi informado somente às companhias aéreas.

“O reajuste no preço do QAV mantém um cenário extremamente difícil para as empresas aéreas e é um tema de constante preocupação para nós e para todo o setor, pois representa quase metade dos custos da operação”, ressalta o presidente da Abear, Eduardo Sanovicz.

“É urgente a revisão do modelo de precificação do QAV, pois 90% do combustível é produzido aqui, mas pagamos o preço de um produto importado”, completou, na nota divulgada nesta quinta pelas companhias aéreas.

Contexto

O cenário atual de intensa volatilidade ainda traz muitos desafios para a aviação brasileira. Além do QAV, a cotação do dólar também impacta os resultados das empresas, indexando cerca de 50% dos custos do setor.

A estatal é acusada também de segurar preços da gasolina e do diesel para não impactar negativamente a campanha de Bolsonaro. A última mudança no preço da gasolina ocorreu no início de setembro, com corte de 7%. O preço do diesel foi alterado pela última vez no dia 19 daquele mês, com corte de 5,8%.

Desde então, as cotações do petróleo dispararam, mas a direção da empresa cedeu a pressão do governo para evitar repasses.

Em entrevista sobre o balanço da estatal nesta sexta, o diretor de Comercialização e Logística, Cláudio Mastella, repetiu que a política de preços prevê o acompanhamento do mercado internacional, mas sem repassar volatilidades ao mercado interno. Ele também disse que não pode antecipar quando a empresa fará novos ajustes nos preços.

Conforme a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o preço média da gasolina nas refinarias da estatal está 6%, ou R$ 0,20 por litro, abaixo da paridade de importação. No caso do diesel, a defasagem é de 9%, ou R$ 0,49 por litro.

No fim da noite desta sexta-feira, após cobranças por veículos da imprensa, a Petrobras decidiu divulgar o aumento do combustível de aviação. O texto confirma o percentual de reajuste e diz que a alta ocorre após três quedas consecutivas. Salienta, ainda, que o preço do QAV acompanha as cotações internacionais, para cima e para baixo, com ajustes mensais. A nota foi divulgada quatro dias após atualização dos preços no site de estatal.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Testes de laboratório indicam novo aumento na incidência de testes positivos de covid no Brasil
Um ano depois, polícia descarta problemas climáticos em acidente aéreo que matou a cantora Marília Mendonça
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias