Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home Cinema Steven Spielberg revela a Martin Scorsese as razões de permitir um filme sobre sua infância

Compartilhe esta notícia:

“Tenho sido muito reservado sobre minha vida privada e nunca trouxe a público minhas histórias até agora”, disse Steven Spielberg a Martin Scorsese, em uma sessão de perguntas e respostas após uma exibição de “Os Fabelmans” em Nova York, no DGA Theatre. Foi a ameaça existencial da pandemia de covid em sua forma mais letal em 2020 que o convenceu a levar sua história familiar muito pessoal para a tela grande no filme “Os Fabelmans”, que estreia em fevereiro no Brasil.

“O que eu pensei foi que se eu tivesse que fazer mais um filme, se eu tivesse que contar mais uma história, qual seria essa história? E é por isso que decidi colocar isso em produção”, disse ele. “Minha mãe e eu guardamos um segredo por muito tempo, e ela sempre me dizia: ‘Nossa, Steve, este seria um filme realmente incrível. Por que você não faz isso algum dia?’ Então, ela veio até mim de um lado e (o roteirista e dramaturgo) Tony Kushner, que ouviu as histórias e estava realmente pressionando por isso, de outro.”

No filme, o aspirante a cineasta adolescente Sam Fabelman é interpretado por Gabriel LaBelle, enquanto Michelle Williams e Paul Dano são seus pais.

Questionado sobre a origem do filme, Spielberg disse a Scorsese que os sentimentos de perda e solidão depois que seus pais faleceram nos últimos anos o levaram a levar realmente a sério sua história. Ele e Kushner escreveram o roteiro, mas “eu não tinha nenhuma intenção de fazê-lo e ficaria feliz em colocá-lo em uma gaveta em algum lugar. Mas a covid me deu muito tempo para pensar sobre isso. E especialmente quando a pandemia estava muito ruim, no momento em que perdemos 500 mil americanos, sem falar em milhões em todo o mundo”.

Scorsese também queria saber mais detalhes sobre uma história de fundo, que conta com a participação especial de David Lynch interpretando John Ford, uma inspiração para Sam Fabelman. Ford oferece um conselho breve, mas memorável, no final do filme e no início da carreira do jovem.

Eu estava atrás de um ator que conheci pessoalmente e ia pedir a ele para fazer o papel de Ford, disse Spielberg. Antes disso, o marido de Kushner, Mark Harris, sugeriu perguntar a David Lynch e uma lâmpada acendeu.

Lynch ficou muito lisonjeado, mas recusou. “Ele disse que não era ator e tinha outros projetos, e John Ford era tão bom, e se ele não alcançasse esses padrões? Ele era meio tímido sobre isso.”

Lynch abrandou quando soube que Spielberg e sua mulher se tornaram entusiastas da meditação transcendental por meio da fundação de Lynch. Mas ele ainda sustentou a negativa. “Então, procurei sua melhor amiga, Laura Dern. ‘Você tem que convencer David a fazer isso. Você tem duas semanas para convencê-lo’, eu disse a ela.”

Quando os dois diretores voltaram a se falar, Lynch disse: “Decidi que vou viver esse papel sob uma condição: quero comprar o traje duas semanas antes da filmagem para já ir me adaptando”. Spielberg respondeu: “Quer dizer que você vai usá-lo?” Ele disse: “Sim, todos os dias. O chapéu, o tapa-olho, tudo.” “E ele apareceu com um figurino bem surrado”, disse Spielberg.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Cinema

Novo remédio contra Alzheimer não é a cura, mas é promissor
SMS está longe do fim: ele enviou a primeira mensagem do tipo, há 30 anos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde