Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home Política Supremo envia à Procuradoria-Geral da República pedido para indiciar Bolsonaro por associar vacina contra Covid à Aids

Compartilhe esta notícia:

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (19) que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre o pedido da Polícia Federal para indiciar o presidente Jair Bolsonaro por incitação ao crime ao associar a vacina contra a Covid-19 ao risco de desenvolver Aids.

Nesta semana, a Polícia Federal (PF) afirmou ao STF que o presidente cometeu incitação ao crime ao fazer a associação, que é falsa, durante a transmissão de uma “live”. Para a PF, a conduta do presidente incentivou que espectadores não adotassem norma sanitária estipulada pelo próprio governo.

A relação feita pelo presidente contraria informações divulgadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e outras autoridades de saúde que já esclareceram que as vacinas não trazem doenças, mas evitam contaminação.

Disputa de versões

A PGR questiona a abertura deste inquérito pelo STF. O ministro, contudo, discordou da decisão da procuradoria, que havia aberto apenas uma apuração preliminar, interna, para avaliar as falas de Bolsonaro. Segundo o ministro, a PGR não poderia abrir apuração interna já que o STF foi provocado a partir de uma notícia-crime feita pela CPI contra o presidente.

A PGR recorreu desse entendimento. O questionamento começou a ser julgado na semana passada no plenário virtual, mas um pedido do ministro Andre Mendonça para ter mais prazo para analisar o caso interrompeu a análise. Não há prazo para a retomada.

Indiciamento

No STF, há divergências sobre a PF poder indiciar um político com foro privilegiado. Parte dos ministros entende que essa prerrogativa não se aplica porque a supervisão do inquérito é feita pelo ministro-relator. Mas, em casos anteriores, ministros já permitiram essa medida, como em inquérito que investigou o ex-presidente Michel Temer.

No relatório enviado ao STF, a PF escreveu que a conduta de Bolsonaro levou os espectadores da “live” a descumprir normas sanitárias estabelecidas pelo próprio governo. Nesse caso, tomar a vacina. No Código Penal, incitação ao crime é conduta ilegal que pode dar prisão de três a seis meses.

Bolsonaro citou na “live” supostos relatórios oficiais do Reino Unido. Para a PF, o presidente “disseminou, de forma livre, voluntária e consciente, informações que não correspondiam ao texto original de sua fonte, provocando potencialmente alarma de perigo inexistente aos espectadores”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Acolhimento emergencial segue nesta sexta (19) no ginásio do Demhab em Porto Alegre
Porto Alegre amplia oferta do transporte coletivo em 62 viagens
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde