Terça-feira, 09 de Agosto de 2022

Home Brasil Supremo fixa critérios mais rígidos para ocorrer prisão temporária de pessoas investigadas

Compartilhe esta notícia:

O STF (Supremo Tribunal Federal) fixou critérios que, na prática, podem dificultar as prisões temporárias de investigados em inquéritos policiais – aquelas em que há prazo para a detenção.

Seis dos 11 ministros votaram para proibir o uso desse tipo de prisão para as chamadas “averiguações”, ou seja, quando a liberdade do investigado é restrita para checar fatos.

Agora, para executar a medida de forma válida, as autoridades terão que comprovar a existência de indícios concretos de que há crime e elementos contra o investigado.

Os ministros analisaram, no plenário virtual, ações que questionam a lei de 1989 que estabelece as regras para a prisão temporária. Para os ministros, os critérios fixados vão adequar a medida à gravidade do crime.

No julgamento, prevaleceu uma divergência aberta pelo ministro Gilmar Mendes e “adequada” por ele após contribuições do ministro Edson Fachin.

Acompanham o entendimento os ministros Dias Toffoli, André Mendonça, Ricardo Lewandowski e Rosa Weber.

A relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, tinha votado no sentido de que a prisão temporária só poderia ser aplicada caso presentes, de forma cumulativa, os requisitos previstos na lei. Foi acompanhada pelos ministros Luís Roberto Barroso, Nunes Marques e o presidente Luiz Fux.

O ministro Alexandre de Moraes votou pela rejeição das ações.

Com a decisão, a prisão temporária só poderá ser usada se puder se comprovado, de forma cumulativa: 1. que ela é medida imprescindível para as investigações do inquérito policial, constatação que deve vir de elementos concretos, “e não meras conjecturas”. Aqui, fica proibido o uso da “prisão para averiguações” ou motivada apenas pelo fato de o alvo não ter residência fixa; 2. que há razões fundamentadas para dizer que o alvo da prisão participou dos crimes que levariam à detenção temporária. Estes crimes estão previstos na legislação – entre eles estão homicídio doloso, sequestro, roubo, extorsão, estupro. Se o crime não estiver previsto na norma, as autoridades não vão poder usar do recurso; 3. que há justificativa baseada em fatos novos ou contemporâneos ao pedido;4. que a medida é adequada à gravidade concreta do crime, às circunstâncias do fato e às condições pessoais do indiciado; 5. que não seria suficiente a imposição de medidas cautelares diversas da prisão.

“A presunção de inocência é um direito fundamental que impõe o ônus da prova à acusação e impede o tratamento do réu como culpado até o trânsito em julgado da sentença”, afirmou o ministro Gilmar Mendes.

“Somente se pode impor uma restrição à liberdade de um imputado, durante o processo, se houver a devida verificação de elementos concretos que justifiquem motivos cautelares”, completou.

“Se não pode conduzir alguém coercitivamente para ser interrogado, também não se pode decretar a prisão somente com a finalidade de interrogar, na medida em que ninguém pode ser forçado a falar ou a produzir prova contra si”, escreveu o ministro Edson Fachin.

“Portanto, a prisão temporária não pode ser utilizada com o sentido de conferir a ela, por vias transversas, a imposição ao sujeito de se submeter à oitiva em fase inquisitorial”, concluiu.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Média móvel de mortes por covid é a maior registrada em 6 meses no Brasil
Homem é baleado e morre após confronto entre torcedores do Palmeiras em São Paulo
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa