Terça-feira, 23 de Abril de 2024

Home em foco Ucrânia já contabiliza dez mil soldados mortos na guerra: 100 militares ucranianos morrem por dia

Compartilhe esta notícia:

Segundo autoridades, aproximadamente 100 militares ucranianos morrem por dia desde o começo da invasão. Paralelamente, Mariupol vive surto de cólera, e Rússia começa a distribuir passaportes na região de Zaporínjia. O governo ucraniano informou que cerca de 10 mil soldados do país morreram desde o início da guerra na Ucrânia. O número foi divulgado por Oleksiy Arestovych, assessor do presidente Volodimir Zelenski, em um vídeo no YouTube.

Arestovych afirmou que cerca de 100 militares ucranianos morrem por dia desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, em 24 de fevereiro. Quando questionado pelo opositor russo Mark Feygin se era possível supor um total de cerca de 10 mil soldados mortos, ele respondeu: “Sim, aproximadamente”.

De acordo com Arestovych, no entanto, mais soldados russos do que ucranianos estão sendo mortos no geral. Segundo ele, na sexta-feira, os ataques da artilharia ucraniana com munição ocidental foram particularmente eficientes, matando cerca de 600 soldados russos.

Anteriormente, o ministro da Defesa da Ucrânia, Oleksiy Reznikov, também havia mencionado que até 100 soldados ucranianos são mortos todos os dias.

Mykhailo Podoliak, conselheiro do presidente Zelenski, também disse em entrevista à BBC que as perdas diárias de 100 a 200 soldados ucranianos são resultado de uma “completa falta de paridade” entre a Ucrânia e a Rússia.

Até agora, nem Ucrânia nem Rússia forneceram informações claras e oficiais sobre as baixas na guerra.

Cólera em Mariupol

O prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, cidade que está sob controle das tropas russas, pediu às Nações Unidas e à Cruz Vermelha Internacional que trabalhem para criar um corredor de fuga para que os moradores restantes possam deixar a cidade. Segundo ele, Mariupol enfrenta um surto de cólera, uma vez que as instalações sanitárias foram destruídas e corpos se decompõe nas ruas.

“Há um surto de disenteria e cólera”, disse em entrevista à televisão ucraniana. “A guerra, que já custou a vida de mais de 20 mil pessoas [na cidade], infelizmente vai tirar a vida de outras milhares de pessoas em Mariupol com esses surtos de infecção”, acrescentou.

Boychenko também acusou as tropas russas de demolirem prédios de apartamentos na cidade sem antes recuperar os corpos dos moradores mortos nos bombardeios. Os corpos estariam sendo levados junto aos escombros, escreveu Boitschenko no Telegram.

Na cidade portuária, símbolo da resistência ucraniana ao ficar sitiada por semanas, 1.300 prédios foram destruídos e acredita-se que de 50 a 100 pessoas tenham morrido em cada um deles. As informações não puderam ser verificadas pela DW de forma independente.

Rússia distribui passaportes

Ao mesmo tempo, cresce a preocupação de que a Rússia anexe ilegalmente mais territórios ucranianos. A partir de sábado (11), passaportes russos serão distribuídos em partes da região de Zaporínjia controladas por tropas russas. Os destinatários serão considerados cidadãos de pleno direito da Rússia, disse uma autoridade ao canal de TV Rossiya-24. Segundo ele, mais de 70 mil pessoas receberão o documento.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Beneficiários do Auxílio Brasil vão receber as parcelas do mês de junho a partir de sexta-feira
Ucrânia afirma que o número de soldados russos mortos na guerra pode chegar a 40 mil neste mês
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde