Sexta-feira, 19 de Agosto de 2022

Home Economia Veja as 5 ações recomendadas por especialistas para investir em julho

Compartilhe esta notícia:

Ao tombar 11,50% e ficar abaixo dos 100 mil pontos, o Ibovespa teve em junho seu pior desempenho mensal desde março de 2020, quando foi declarada a pandemia do novo coronavírus. Levando em consideração o primeiro semestre de 2022, a desvalorização acumulada do índice ficou em 5,99%.

Para julho, a expectativa dos analistas é de fortes emoções e muita volatilidade. Os mercados acionários – aqui e lá fora – devem continuar preocupados com a inflação alta, com os juros em elevação e com os riscos de recessão global. Além disso, à medida que a eleição presidencial se aproxima, os temores fiscais e políticos tendem a contribuir ainda mais para azedar o humor na Bolsa brasileira.

“Investir no País tem sido balancear, pelo lado positivo, preços atrativos e alta estrutural de commodities e, pelo lado negativo, a ausência de uma âncora fiscal crível para enfrentar mares externos turbulentos”, aponta a Kinea Investimentos, na carta mensal do gestor.

“Se de um lado temos pressões vindas do ambiente externo e o apetite ao risco dos investidores muito prejudicado, aqui a Bolsa segue em níveis muito descontados, que não nos parece ser o argumento suficiente para trazer o Ibovespa para cima, por falta de gatilhos e com uma eleição presidencial se aproximando”, destaca a equipe de research da Ativa Investimentos.

Mesmo diante das incertezas, como apontam os profissionais, o investidor pode encontrar boas oportunidades para fortalecer a carteira.

Veja a seguir cinco ações recomendadas por gestoras e casas especializadas em renda variável para julho:

Eletrobras

“Dispomos de positiva visão acerca do momento incipiente vivido pela companhia após o seu processo de capitalização. O mês de junho já desvendou novas mudanças na companhia, que acreditamos rumar para perceptíveis evoluções no campo operacional, financeiro e de governança, otimizando ainda a atuação da companhia ao longo dos próximos anos. No curto prazo, após a capitalização, enxergamos que a companhia poderá se consolidar como a maior companhia do setor elétrico nacional”, avalia a equipe de research da Ativa Investimentos.

Simpar

“A Simpar é a holding que controla empresas como a Movida, JSL e o Grupo Vamos. Nos negócios de logística e aluguel de carros, a empresa já está mais madura, com um fluxo de caixa estável e crescimento adequado. Já na Vamos, temos uma empresa de crescimento bastante acelerado, com um mercado endereçável enorme e uma fatia de mercado pequena, mesmo sendo líder. A gestão da família Simões tem sido impecável, com um longo histórico de entregas nos diferentes setores”, destaca a Órama Investimentos.

Multiplan

“É uma das maiores empresas de shopping centers do Brasil, responsável pelo planejamento, desenvolvimento, propriedade e administração de seu portfólio de shopping centers. A companhia apresentou uma forte retomada em todas as suas frentes de operação em relação ao patamar antes da pandemia, com evolução na taxa de ocupação e uma taxa de inadimplência em queda, que resultou em um ótimo resultado financeiro. Vemos Multiplan como um dos top picks setoriais, provando possuir um alto poder de barganha frente a seus lojistas e grande resiliência do portfólio durante a pandemia”, anota a Guide Investimentos.

Weg

“A companhia historicamente tem mostrado uma gestão eficiente de seus lucros, mesmo diante de cenários desafiadores como o 1T22. Para esse mês, recomendamos compra no ativo pois com o recente anúncio de China a um pacote bilionário para retomada da economia, após o período de quase dois meses de lockdown devido sua política de covid zero, o setor de industrial acaba sendo beneficiado e o Brasil, por ser um grande parceiro comercial de Pequim, se destaca. Além disso, a empresa apresenta mais de 50% de sua receita atrelada às vendas no exterior e com a recente alta do dólar, a Weg tem forte potencial de valorização para julho”, aponta a Toro Investimentos.

Suzano

“A Suzano é uma das maiores produtoras verticalmente integradas de papel e celulose da América Latina, com mais de 90 anos de experiência no setor. A companhia, por meio de suas empresas controladas, opera, preponderantemente, em dois segmentos: celulose e papel. Apesar do preço das ações da Suzano terem caído recentemente, a companhia está elevando os preços da fibra curta na Ásia, na Europa e na América do Norte. Os aumentos vão variar de US$ 20 a US$ 40 por tonelada, sendo um driver importante de aumento de receita para a companhia, que detém enorme ‘pricing power’”, relata a gestora Warren.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

“Tímido e discreto”: saiba quem era filho de Ronaldo Caiado encontrado morto em uma fazenda
FAB intercepta aeronave com 500 quilos de cocaína no Mato Grosso do Sul
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde