Quarta-feira, 19 de Junho de 2024

Home Rio Grande do Sul Vereador gaúcho que propõe desmatamento em estradas já foi processado por minimizar trabalho análogo à escravidão

Compartilhe esta notícia:

O vereador Sandro Fantinel (PL), de Caxias do Sul, voltou nesta semana aos holofotes nacionais, por defender a poda de árvores como estratégia para conter deslizamentos de encostas – tese que contraria informações de especialistas ambientais. Trata-se do mesmo parlamentar que, no ano passado, minimizou os flagrantes de trabalho análogo à escrevidão na Serra Gaúcha.

“Em todas as barreiras que caíram na minha região, o que causou o desmoronamento foi o peso das árvores, porque em solo encharcado as raízes não seguram mais”, teorizou durante manifestação na tribuna da Câmara Municipal. A fala foi rebatida por colegas, que o acusaram de espalhar fake news e de basear seus posicionamentos em mensagens de whatsapp sem embasamento na realidade.

Ligado ao agronegócio, Fantinel já havia defendido, dias antes, a derrubada de vegetação: “Se fossem retiradas todas as árvores das rodovias do Interior do Estado, 95% delas não sofreriam com o problema, porque as árvores são pesadas e cedem com o peso da chuva, permitindo que os barrancos avancem até a estrada”.

O vereador também afirmou que outros Estados têm culpa pela catástrofe climática do Rio Grande do Sul: “Nosso Estado tem quatro vezes mais florestas que o Centro do País. São Paulo, Rio de Janeiro, Goiás e toda aquela região destruiu matas por causa da grandeza das cidades, causando aumento na temperatura e um bolsão de ar quente, sem que a umidade da Amazônia consiga entrar lá e desviando pelos Andes até bater por aqui (…)”.

Cassação arquivada

Exatamente um ano atrás, Sandro Fantinel escapou de perder o mandato. Ele era alvo de quatro processos de cassação por falas sobre trabalhadores baianos resgatados em condição análoga à escravidão na Serra Gaúcha, mas as acusações acabaram arquivadas pela Câmara Municipal de Caxias do Sul.

As representações haviam sido protocoladas pelas Defensorias Públicas do Rio Grande do Sul e da Bahia, bem como pelo ex-vice-prefeito Ricardo Fabris. Por maioria de 13 votos a nove, seus colegas optaram por mantê-lo no cargo. Ele foi expulso do partido Patriota e posteriormente se filiaria ao PL, sigla do ex-presidente Jair Bolsonaro.

No dia 28 de fevereiro de 2023, ele havia utilizado a tribuna do Legislativo local para minimizar episódio envolvendo flagrante de exploração de mão-de-obra em condições desumanas em uma propriedade rural da região, tendo como vítimas trabalhadores procedentes da Região Nordeste do País:

“Esse povo baiano vive na praia tocando tambor (…) Deixem de lado essa gente acostumada com Carnaval e festa, para não se incomodar novamente. Melhor é contratar argentinos, que são limpos, trabalhadores, corretos, cumprem o horário e ainda agradecem ao patrão”.

Alvo de críticas em todo o País, Fantinel alegou ter sido “mal interpretado” e que a maneira como o seu discurso foi divulgado fez parte do “trabalho de oposição da esquerda”. Disse, ainda, que suas declarações haviam sido fruto de “um momento de lapso mental”.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

“A gente nem sabe para que lado se mexer”, diz Paulo Pimenta sobre desastre no RS
SOS Rio Grande do Sul: burocracia trava recursos federais ao RS, prefeitos cobram e governo tenta simplificar exigências
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias