Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Home Brasil A pandemia fez muitos casais desistirem da segunda gestação

Compartilhe esta notícia:

Dois filhos sempre foram o plano para Anna Carey e, no início de 2020, ela estava se preparando para começar a tentar conceber. Sua filha tinha acabado de fazer 2 anos e ela e o marido viviam felizes, embora longe da família, em Toronto, onde Carey trabalhava meio período em uma empresa de marketing.

Mas, claro, todos nós sabemos o que aconteceu a seguir. Sem opções seguras de cuidados infantis durante a pandemia, Carey foi forçada a deixar o emprego em agosto de 2020 para cuidar da filha. O que era um desejo quase certo alguns meses antes passou a parecer impensável.

“Não poderíamos imaginar passar por outra fase de gravidez, parto e cuidado com um recém-nascido com tão poucas opções de apoio”, disse ela.

Por um tempo, ela ainda tinha esperança de que a situação melhorasse antes de completar 35 anos, em julho deste ano, o que, por razões de saúde genética, ela e o marido, Graham, sempre consideraram um período limite para as tentativas.

A gota d’água, porém, foi ver como a pandemia revelou uma gritante falta de apoio estrutural para as famílias. Segundo Carey, ela passou a se sentir triste, mas resoluta com a sua decisão.

“Passei a perceber o quão pouco a sociedade valoriza as crianças e os pais, especialmente as mães. Isso passou a ser um grande impedimento”, disse.

Controle

Certamente, muitas pessoas tiveram bebês durante a pandemia. Alec e Hilaria Baldwin, cujas preocupações com cuidados infantis são presumivelmente diferentes das da maioria das pessoas, em breve terão três deles. Mas, para alguns millennials mais velhos e que já tiveram um ou mais filhos entrando na pandemia, os riscos reais de ser pai em alguns dos piores momentos da história recente provaram ser uma forma potente de controle de natalidade.

Percorrer a vida pandêmica, com todos os seus contratempos e descarrilamentos imprevisíveis – para não mencionar os atritos com o terror existencial – teve uma sensação semelhante à vida pós-parto, mas sem o lado bom de um adorável recém-nascido. Adicionar um recém-nascido real à mistura? Para alguns, isso se tornou impensável – seja por um momento ou para sempre.

Além disso, há outro aspecto mais direto do controle de natalidade pandêmico: a fertilidade em declínio. Embora muitos aspectos da vida pareçam estar em espera por dois anos, o tempo continuou a passar, uma consideração significativa para as pessoas que viram o final dos seus 30 anos escorrendo pelo ralo enquanto ganhavam novas habilidades duvidosas no Zoom e viram conjunto assustador de obstáculos fiscais e, para as mulheres, fisiológicos a serem superados.

Para outros pais mais velhos, as mudanças provocadas pela pandemia ajudaram a esclarecer suas limitações, de maneiras dolorosas, mesmo que lhes trouxessem algo semelhante à sabedoria.

Sarah Balcomb, uma escritora que tem uma filha de 9 anos e mora em Lexington, Virginia, percebeu que estava terminando permanentemente a reprodução da maneira que Hemingway descreveu uma vez: gradualmente, e depois de uma vez.

Aos 47 anos, Sarah vinha tentando vários tratamentos de fertilidade há anos e, no início de 2020, estava contemplando uma rodada de fertilização in vitro, que seu seguro cobriria. Mas ela e o marido adotaram um cachorrinho no final de março, e as viagens noturnas para o quintal lhe deram flashbacks viscerais dos primeiros meses de vida com um recém-nascido humano. Na segunda noite, ela disse, a privação de sono produziu uma revelação.

“O peso de tudo isso desabou sobre mim”, disse ela, listando a pandemia, a política polarizada, as mudanças climáticas, a desigualdade econômica e o racismo sistêmico entre os motivos. “Eu sabia que naquela noite tinha acabado.”

Segundo ela, apesar de se ressentir por sua filha não ter um irmão, não há nada que a faça mudar de ideia sobre engravidar novamente, a não ser uma utopia repentina.

“Mesmo se fôssemos super ricos e pudéssemos contratar ajuda em tempo integral, eu não teria outro filho. Se o planeta fosse milagrosamente consertado e não houvesse mais guerra e fôssemos ricos, bem, então eu poderia pensar a respeito.”

E depois há divórcios pandêmicos. As taxas subiram após o primeiro ano da pandemia e, para os pais de crianças pequenas que não sobreviveram ao contexto com os relacionamentos intactos, a perspectiva de ter mais filhos no futuro parece muito menos provável do que antes.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Presidente do PSDB convoca Executiva Nacional após Doria enviar carta em que cita “tentativas de golpe”
Médica ajuda o marido a se passar por clínico geral de pronto-socorro, no Paraná, e o casal acaba preso em flagrante
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde