Domingo, 07 de Agosto de 2022

Home Brasil “A pandemia vai ser cada vez mais leve”, diz presidente da Pfizer no Brasil

Compartilhe esta notícia:

Após inúmeras omissões do governo brasileiro em responder à proposta da Pfizer para venda de vacinas, a Comirnaty, aprovada pela Anvisa em fevereiro de 2021, menos de um mês após a autorização da CoronaVac e da vacina de Oxford, é hoje o segundo imunizante mais utilizado no País.

A presidente da empresa no Brasil, Marta Díez, afirma que os movimentos antivacina preocupam, mas elogia a adesão brasileira aos imunizantes. Para ela, é importante garantir o acesso às vacinas a países de baixa e média renda para que haja uma saída global da pandemia.

Díez evita comentar qual seria o cenário hoje se o País tivesse comprado doses antes, e cita que outras questões além da vacinação tiveram impacto importante na contenção da pandemia, como medidas de restrição e isolamento social. A executiva diz ainda que a empresa deve pedir nas próximas semanas o registro na Anvisa para seu medicamento Paxlovid, pílula antiviral com quase 90% de eficácia contra a covid-19.

1) Há muitas linhas a respeito da duração da pandemia e de qual o papel da Ômicron nesse cenário. Qual sua perspectiva em relação ao fim da pandemia?

Em março de 2020, todo mundo dizia que a pandemia ia durar dois meses, que seria muito curta. É difícil dar uma data. Acho que não será uma data, será uma fase. A pandemia vai ser cada vez mais leve, a doença vai estar lá e vamos aprender a viver com ela. Há um ano, em fevereiro e março do ano passado, foi um momento muito difícil da pandemia, quando não tínhamos vacina. A grande diferença é a vacinação sem dúvida alguma.

A vacinação contra doenças infecciosas é uma ferramenta importantíssima de saúde pública, em particular, no caso da pandemia de covid-19. É a primeira vez que temos uma pandemia dessas dimensões. Então, podemos observar hoje versus um ano atrás, as taxas de mortalidade e casos graves são muito menores em todos os países, inclusive no Brasil, que tem uma vacinação elevada. Esse declínio (de casos graves e mortes) é resultado de uma vacinação muito bem sucedida aqui no Brasil.

Vemos em diferentes países: os casos de populações vacinadas versus populações não vacinadas são muito diferentes. Acho que temos uma situação diferente, muito mais positiva, mesmo agora com a chegada da variante ômicron. Como companhia estamos muito honrados de ter sido um ator importante nessa vacinação.

2) A desigualdade vacinal entre os países adia o fim da pandemia. Há caminho possível para atenuar isso?

Como companhia entregamos aproximadamente 3 bilhões de vacinas em todo o mundo, e cerca de um bilhão e meio foi entregue a países de baixa e média renda. Temos essa política. Todos os países têm que poder acessar vacinas para podermos sair da pandemia de forma global. Temos uma política de preço diferenciado para que o preço não seja tão alto que países não possam ter acesso às vacinas.

Países de baixa renda têm um preço muito mais baixo para garantir que essas vacinas possam chegar. Mas, infelizmente, alguns países têm dificuldades logísticas importante. Nem todos têm um sistema de saúde como tem o Brasil. Então não é sempre tão fácil. O Brasil tem essa sorte de ter um sistema universal tão forte. Isso complica um pouco a saída dessa pandemia por todos os países na mesma velocidade.

3) A Pfizer anunciou que terá uma vacina contra ômicron em março. Quando ela estará disponível no Brasil?

A ômicron foi detectada em novembro de 2021 e a companhia, como fez com todas as variantes do coronavírus, fez estudos para ver se a imunidade da vacina atual era suficiente ou não para essa variante. Com a variante ômicron, os laboratórios provam que três doses da vacina da Pfizer são suficientes para neutralizá-la. Nesse sentido, a população tem que ficar tranquila porque essas três doses protegem. A companhia continua estudando a necessidade de atualizar a vacina ou não. Vamos ver como isso se desenvolve.

É importante ter esse contínuo monitoramento das variantes e o desenvolvimento de vacinas, e ver se realmente uma vacina é necessária. O contrato que temos com o governo brasileiro inclui essas possíveis vacinas, seja para ômicron, seja para outras variantes. (O tempo para que chegue a cada país) vai depender muito se o governo solicitar ou não a vacina. Talvez a situação pandêmica de cada país seja diferente. Se alguns governos veem que a população está vacinada de forma rigorosa com a terceira dose, talvez avaliem que não seja necessário adquirir esse imunizante.

4) Há um forte movimento antivacina a nível mundial. É algo que preocupa? Isso pode impactar a saúde das pessoas?

Impacta e preocupa, não só como empresa, mas como sociedade. As pessoas que trabalham na saúde pública e na infectologia claramente estão preocupadas com esse fenômeno, que é mundial, não é brasileiro. No Brasil ele é limitado em comparação com outros países. É mais próprio de países desenvolvidos, um paradoxo. Talvez porque os países desenvolvidos perderam o medo das doenças infecciosas, porque justamente em consequência das vacinas anteriores já não há tanta exposição a essas enfermidades. Para mim, é difícil entender esse fenômeno, sou uma grande crente das vacinas, da ciência e dos dados.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Brasil registra 74.134 novos casos e mais 121 mortes por covid
Justiça Federal proíbe Bolsonaro de usar termo “lepra” em declarações públicas
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde