Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022

Home em foco A variante ômicron do coronavírus escapa parcialmente da proteção conferida pela vacina da Pfizer contra a covid

Compartilhe esta notícia:

A variante Ômicron do coronavírus pode evitar parcialmente a proteção conferida pela vacina contra covid-19 desenvolvida pela Pfizer em parceria com a BioNTech, a informação foi divulgada pela Bloomberg News nesta terça-feira, citando o chefe de pesquisa de um laboratório do Africa Health Research Institute, na África do Sul.

A evasão da variante não é completa e uma dose de reforço poderia fornecer proteção adicional, de acordo com o relatório, citando Alex Sigal, chefe do laboratório.

A variante ômicron, detectada pela primeira vez no sul da África no mês passado, disparou alarmes em todo o mundo para outro surto de infecções, com mais de duas dezenas de países, do Japão aos Estados Unidos, relatando casos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), em 26 de novembro, classificou-a como uma “variante de preocupação” (VOC), mas disse que não havia nenhuma evidência para apoiar a necessidade de novas vacinas especificamente projetadas para combater a variante Ômicron e suas muitas mutações.

Roedores

Uma nova hipótese sobre o surgimento da Ômicron está sendo levantada por cientistas: cepas anteriores do coronavírus teriam sido passadas de humanos para roedores e, no corpo desses animais, sofrido uma série de mutações e voltado a infectar pessoas, já como Ômicron.

A teoria sugere que algum tipo de animal, potencialmente um roedor, teria sido infectado com o vírus Sars-CoV-2 em meados de 2020. Nessa espécie, o vírus evoluiu, acumulando as mutações antes de voltar a infectar as pessoas, agora em 2021.

O fato de o coronavírus ser capaz de infectar animais sustenta a nova hipótese dos cientistas. Desde o início da pandemia, há relatos de cães e gatos sendo contaminados pelo vírus, além de visons, roedores e veados de cauda branca. Em novembro do ano passado, vários visons foram sacrificados na Dinamarca e na Holanda após constatarem que o coronavírus pulou de humanos para esses animais, se espalhou entre eles, e pulou de volta para humanos.

Robert Garry, professor de microbiologia e imunologia da Escola de Medicina da Universidade de Tulane, de Nova Orleans, nos EUA, trabalha rastreando as mutações do coronavírus que surgiram desde o início da pandemia. Ele observou que há sete delas associadas à adaptação de roedores. As mudanças pareciam permitir que o vírus infectasse camundongos, ratos e espécies relacionadas. Todas as sete mutações identificadas por Garry estão presentes na Ômicron. Ele diz que, se a nova variante se desenvolveu em um hospedeiro animal, sua aposta seria nos roedores.

O geneticista Salmo Raskin, diretor do Laboratório Genetika, de Curitiba, diz que essa hipótese de zoonose reversa é possível, já que há outros vírus que usam animais como reservatório para sobreviver e se mutar, antes de voltar a afetar os seres humanos.

“Já vemos isso no vírus da influenza, que usa aves e porcos como reservatórios animais. Esse foi um dos motivos que tornou a gripe uma doença endêmica, porque o vírus salta dos animais para os humanos. Por isso, não conseguimos acabar com a influenza, nem com as mutações que acontecem nela, trazendo a necessidade de tomarmos a vacina todos os anos”, afirma.

Segundo o especialista, se essa teoria se confirmar para o coronavírus, as chances de cessar a circulação do vírus pelo mundo — que já eram baixas — diminuem ainda mais, já que haverá risco de que novas cepas surjam nesses reservatórios animais e saltem para os humanos, criando novas ondas de covid-19. Muito provavelmente a origem da Ômicron será descoberta em questões de meses.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ômicron pode ter surgido e evoluído de roedores, investigam cientistas
Indústria farmacêutica chinesa anuncia testes de versão adaptada da Coronavac contra a variante ômicron
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde