Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022

Home em foco Indústria farmacêutica chinesa anuncia testes de versão adaptada da Coronavac contra a variante ômicron

Compartilhe esta notícia:

A farmacêutica chinesa Sinovac disse nesta terça-feira (7), durante simpósio realizado pelo Instituto Butantan, que está desenvolvendo uma versão da vacina Coronavac adaptada à variante ômicron. A expectativa é a de que a atualização do imunizante fique pronta em três meses, ou seja, até fevereiro de 2022.

O anúncio foi feito pelo presidente da farmacêutica, Weidong Yin, durante o Simpósio Coronavac. O evento começou nesta terça e irá até esta quinta (9).

“Esperamos ainda mais colaboração para o desenvolvimento mais rápido de imunizantes para novas variantes ou para vacinas de reforço, e temos certeza que com parcerias como a do Butantan vamos ser capazes de enfrentar a covid-19”, afirmou Weidong Win

Segundo a vice-presidente e líder de pesquisa e desenvolvimento da Sinovac, Yallling Hu, o laboratório chinês tem se dedicado a isolar o vírus, partindo de amostras de pacientes de Hong Kong, para poder iniciar os testes de anticorpos neutralizantes.

Depois desse processo, a empresa pretende realizar um ensaio clínico para examinar a eficácia do imunizante. A previsão é que todo esse processo leve pelo menos três meses, informou Yallling Hu.

“A mutação é bastante instável no momento e ainda estamos trabalhando na neutralização cruzada da atividade causada pelo coronavírus”, explicou. “Acho que em um futuro próximo vamos precisar de mais trabalho para avaliar a eficácia das vacinas contra esta variante e, talvez, ir mais além para avaliar a cobertura da vacina que temos hoje”, complementou Yalling Hu.

Simpósio Coronavac

A proposta do simpósio é promover a discussão científica sobre a eficácia e segurança da vacina no Brasil e em outros países, além de debater os resultados do estudo de efetividade Projeto S, realizado na cidade de Serrana, interior de São Paulo.

O encontro reúne pesquisadores brasileiros de diversas áreas e especialistas dos Estados Unidos, Turquia, Chile, China e Espanha.

Testes Coronavac

O Instituto Butantan começou na última quinta (1°) um estudo para analisar a efetividade da vacina Coronavac contra a nova variante da covid, a ômicron.

Os testes iniciaram após pedido da Anvisa, que solicitou a todos os laboratórios que produzem os imunizantes aplicados no país façam estudo pra verificação de eficácia contra a ômicron.

A Coronavac é produzida a partir do vírus inativado, ou seja, pelo vírus morto ou por partes dele. Esses vírus não conseguem provocar a doença, mas são suficientes para gerar uma resposta imune e criar no organismo uma memória de como nos defender contra uma ameaça.

Em entrevista na última semana, Sandra Coccuzzo, diretora do Centro de Desenvolvimento Científico do Instituto Butantan, disse que a tecnologia do imunizante produz anticorpos diferentes no sistema imunológico em relação às outras vacinas, o que pode tornar um desempenho diferenciado contra a nova cepa.

Ainda de acordo com ela, os resultados devem ser liberados até o final deste mês.

Variante ômicron

A variante ômicron – também chamada B.1.1529 – foi reportada à OMS em 24 de novembro de 2021 pela África do Sul. De acordo com OMS, a variante apresenta um “grande número de mutações”, algumas preocupantes. O primeiro caso confirmado da ômicron foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021 no País.

No Brasil, o Ministério da Saúde confirmou seis casos de contaminação pela variante. Todos já tinham sido vacinados e apresentam sintomas leves.

Na terça (30), autoridades sanitárias holandesas afirmaram que a variante já estava presente no país em 19 de novembro – uma semana antes do que se acreditava e antes de a OMS classificá-la como variante de preocupação.

A primeira imagem da variante ômicron do coronavírus revelou mais do que o dobro de mutações que a da variante delta.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

A variante ômicron do coronavírus escapa parcialmente da proteção conferida pela vacina da Pfizer contra a covid
China quer vacinar 160 milhões de crianças e obter imunidade coletiva ao coronavírus
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde