Domingo, 26 de Maio de 2024

Home em foco As surpresas com as várias identidades da namorada do brasileiro que tentou matar Cristina Kirchner

Compartilhe esta notícia:

Desde que o mundo ficou estarrecido com a tentativa de assassinato da vice-presidente argentina, Cristina Kirchner, protagonizado por Fernando Andrés Sabag Montiel, um brasileiro de 35 anos radicado naquele país desde a infância, algumas certezas foram aparecendo.

Primeiro foram as convicções ideológicas de extrema-direita do autor, depois foi a sorte da ex-mandatária ao se livrar de um tiro à queima-roupa no rosto e, por fim, a participação da namorada de Montiel, uma jovem de 23 anos chamada Brenda Elizabeth Uliarte, que estranhamente havia se identificado à imprensa como Ambar. De fato, ela estava no local do intento, diferentemente do que havia dito (que não encontrava o companheiro há dias), o que fez com que a Justiça decretasse sua prisão.

Agora, surge a versão da jovem sem família, que moraria com o namorado extremista, estudante universitária e vendedora de algodão-doce. Quase nada do que se sabia sobre Brenda era verdade e as autoridades começam a investigar um protagonismo maior dela na tentativa de magnicídio, considerando que possivelmente possa ter organizado e planejado o atentado.

De acordo com as informações levantadas pelos investigadores e tornadas públicas pela imprensa argentina, Brenda jamais esteve em uma universidade, uma vez que sequer terminou o Ensino Médio. Ela também não era brigada e afastada de sua família, visto que os investigadores descobriram que, diferentemente do informado nos primeiros dias, sobre a jovem morar com Montiel, Brenda sempre viveu com o pai e outros familiares em San Martín, cidade na periferia da capital Buenos Aires.

A investigada se apresentava formalmente com pelo menos quatro identidades diferentes: além da verdadeira, tinha perfis nas redes sociais e se identificou para veículos de imprensa antes do atentado, dando entrevistas recheadas de discursos xenofóbicos e reacionários, como Ambar, Sasha e Lizz Manson.

Embora aparecesse carregando um cano com algodão-doce, cuja venda seria seu ganha-pão, familiares revelaram que nunca souberam dessa atividade, já que Brenda trabalhava diariamente numa pequena venda de propriedade de seu pai, um homem de 43 anos que tomou sua guarda da mãe durante a infância da acusada porque ela sofria abusos sexuais por parte de um parceiro da então responsável legal pela menina.

Aliás, o pai de Brenda estaria internado desde o episódio do atentado contra Cristina Kirchner e familiares afirmaram à imprensa e às autoridades que seria por dois motivos: além de ver a filha envolvida numa trama de tentativa de assassinato da vice-presidente da nação, descobriu também que ela produzia conteúdo pornográfico nas redes e mantinha canais para veiculação desse material no OnlyFans e no Xvídeos.

No LinkedIn, Brenda mantinha um perfil com sua identidade real e se dizia funcionária do setor de limpeza da petroleira Shell, atividade que jamais exerceu, de acordo com a família e com a multinacional. Um tio, em entrevista ao Clarín, disse que estava assustado com tantas mentiras, que parecia que sobrinha “estava fabulando” e vivendo vidas falsas.

Partindo deste ponto, os agentes da Polícia Federal Argentina (PFA) pretendem descobrir qual, de fato, foi o papel de Brenda no crime. Numa live, poucos minutos antes de ser detida na estação de trens de Palermo, no domingo (4) à noite, a companheira de Montiel reproduziu frases de Javier Milei, um deputado de extrema-direita que vem sendo acusado na sociedade local de incendiar o ambiente político no país.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Segunda maior rede de cinema do mundo decreta falência nos Estados Unidos
INSS: veja como bloquear ou desbloquear benefício para empréstimo consignado
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias