Quarta-feira, 29 de Maio de 2024

Home em foco Segunda maior rede de cinema do mundo decreta falência nos Estados Unidos

Compartilhe esta notícia:

O Cineworld Group – a segunda maior cadeia de cinemas do mundo e proprietário da Regal Cinemas – disse nessa quarta-feira (7) que entrou com pedido de proteção contra falência do Capítulo 11.

Capítulo 11 é o que trata na lei americana de pedidos de falência em que a empresa continua operando e, assim, mantém um tipo de proteção contra ações de credores, enquanto a companhia tenta organizar suas contas e dívidas. Já o Capítulo 7 da lei trata de falência com liquidação total e fechamento dos negócios.

A empresa britânica, que possui mais de 500 salas de cinema nos Estados Unidos, disse que iniciou os procedimentos do Capítulo 11 no Tribunal de Falências dos Estados Unidos para o Distrito Sul do Texas para se livrar da dívida da empresa. Também espera que a ação “fortaleça seu balanço e forneça força e flexibilidade financeiras para acelerar e capitalizar a estratégia da Cineworld na indústria cinematográfica”.

A empresa acrescentou que tem acesso a quase US$ 2 bilhões em financiamento de credores existentes para continuar operando. A Cineworld também disse no documento que “espera operar seus negócios globais e cinemas como de costume durante todo esse processo”.

A empresa alertou no final do mês passado que um arquivamento voluntário do Capítulo 11 era uma das opções que estava analisando para reduzir sua dívida.

“Temos uma equipe incrível na Cineworld laser focada em evoluir nossos negócios para prosperar durante o retorno da indústria cinematográfica”, disse Mooky Greidinger, CEO da Cineworld, em comunicado nessa quarta. “A pandemia foi um momento incrivelmente difícil para nossos negócios, com o fechamento forçado de cinemas e uma enorme interrupção nos cronogramas de filmes que nos levou a esse ponto.”

Greidinger acrescentou que o pedido de falência é “parte de nossos esforços contínuos para fortalecer nossa posição financeira e está em busca de uma desalavancagem que criará uma estrutura de capital mais resiliente e negócios eficazes”.

“Isso nos permitirá continuar a executar nossa estratégia para reimaginar as experiências cinematográficas mais imersivas para nossos hóspedes por meio dos formatos de tela e aprimoramentos mais recentes e de ponta em nossos principais teatros”, acrescentou. “Nosso objetivo continua sendo acelerar ainda mais nossa estratégia para que possamos crescer nossa posição como o ‘Melhor lugar para assistir a um filme’.”

Como muitos cinemas, o Cineworld lutou durante a pandemia, que devastou a indústria e ainda está impactando a exibição. A crise global da saúde fez com que cinemas em todo o mundo fechassem e a empresa perdeu US$ 2,7 bilhões em 2020 e outros US$ 566 milhões em 2021.

A economia melhorou para os cinemas, mas o retorno ao normal ainda está longe.

A bilheteria doméstica se recuperou no verão americano graças a grandes sucessos como “Top Gun: Maverick” e “Jurassic Park: Dominion”, bem como sucessos menores como “Elvis” e “The Black Phone”. No entanto, a presença de filmes secou nas últimas semanas em meio à escassez de novos filmes e problemas na cadeia de suprimentos que atingem Hollywood e muitos recursos vão direto para o streaming.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Saque em dinheiro do vale-alimentação e refeição é vetado
As surpresas com as várias identidades da namorada do brasileiro que tentou matar Cristina Kirchner
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias