Domingo, 26 de Maio de 2024

Home em foco Aumento de apreensões de armas impressas em 3D preocupa autoridades europeias

Compartilhe esta notícia:

Um número crescente de apreensões de armas feitas em casa a partir de peças impressas em 3D está despertando o alarme para a polícia europeia sobre uma ameaça emergente.

As armas caseiras se tornaram mais difundidas desde 2013, quando um entusiasta de armas dos EUA exibiu pela primeira vez uma pistola impressa em 3D e compartilhou seu design online.

Somente em setembro, a polícia islandesa disse que prendeu quatro pessoas suspeitas de planejar um “ataque terrorista”, confiscando várias armas semiautomáticas impressas em 3D. No mesmo mês, as autoridades espanholas descobriram uma oficina ilegal de fabricação de armas de um homem de quarenta anos no País Basco.

Essa descoberta seguiu dois outros casos semelhantes no país em 2021. A polícia das Ilhas Canárias, na Espanha, encontrou literatura e manuais de supremacia branca sobre guerrilha urbana ao lado de duas impressoras 3D. E na cidade de A Coruña, no noroeste, a polícia descobriu um homem perto de completar um fuzil de assalto.

“A tecnologia avançada em rápida evolução pode fazer com que isso emerja como uma ameaça mais significativa em um futuro próximo”, disse Ina Mihaylova, porta-voz da agência policial europeia Europol.

Enquanto as armas tradicionais são facilmente rastreáveis graças aos seus números de série e marcas de prova, esses modelos “impressos em casa” são menos fáceis de rastrear pelas autoridades.

Foco na extrema-direita

No momento, “ainda há uma grande diferença entre a qualidade das armas fabricadas profissionalmente disponíveis no mercado criminal e as armas impressas em 3D/feitas por si”, disse Mihaylova.

Mas Christian Goblas, especialista em balística da Universidade de Rouen, na França, disse que a “impressão metálica 3D” pode se tornar acessível na próxima década – o que pode tornar as armas feitas por eles mesmos mais duráveis ​​e confiáveis.

Com suas peças 3D e pino de disparo de metal, a pistola “Liberator” de 2013 foi exibida em 2013 pelo auto-descrito “cripto-anarquista” Cody Wilson imitou uma arma bruta de tiro único com o mesmo nome lançada para combatentes da resistência francesa durante o Mundial Segunda Guerra.

Wilson postou instruções para a arma on-line, despertando alarme nos Estados Unidos com seu já fraco controle de armas e histórico de tiroteios em massa mortais.

Desde então, as impressoras 3D ficaram mais baratas e mais projetos foram postados na chamada Dark Web.

Rajan Basra, pesquisador sênior do Centro Internacional para o Estudo da Radicalização (ICSR), disse que a impressão de armas 3D continua sendo principalmente uma curiosidade para fãs de armas de fogo ou libertários.

Mesmo em países com restrições severas a armas, existem opções melhores para quem procura uma arma de fogo: na França, você pode comprar um fuzil de assalto Kalashnikov no mercado negro por entre 500 e 1.500 euros (US$ 485 a US$ 1.460).

Em menor grau, as armas de bricolage também são atraentes para “terroristas”, militantes de extrema direita e gângsteres, acrescentou Basra.

Onze das 12 apreensões recentes na Europa envolveram ativistas de extrema-direita, ressaltou.

Um dos usos mais importantes de armas com peças impressas em 3D ocorreu na Alemanha em 2019. Um atirador matou duas pessoas na cidade oriental de Halle depois de não conseguir arrombar uma sinagoga. Antes do ataque, ele havia postado online um manifesto racista, misógino e antissemita.

Em discussões online entre alguns extremistas de extrema direita, “as armas de fogo impressas em 3D ainda não são consideradas uma alternativa séria às armas comuns para realizar um tiroteio em massa, pois são consideradas comparativamente não testadas”, disse ele.

Jacob Ware, pesquisador de contraterrorismo do Conselho de Relações Exteriores, concordou que nem todos esses extremistas estavam entusiasmados com a maneira trabalhosa de fabricar uma arma.

Para alguns, foi “fundamentalmente revolucionário ao abrir novas portas para terroristas sem acesso a armas de fogo”.

Mas outros zombaram da tecnologia “como relevante apenas para aqueles que não conseguiram estocar armamento em preparação para… a tirania do governo”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mal assumiu cargo, primeira-ministra britânica corre risco de cair
Autor de assassinato em massa nos Estados Unidos é um adolescente de 15 anos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias