Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024

Home Economia Aumento do limite do empréstimo consignado gera cautela entre os bancos

Compartilhe esta notícia:

O aumento dos limites do crédito consignado ainda está sob análise bancos, mas prevalece entre eles um tom de cautela com a medida num momento delicado para a economia. A criação do cartão de benefício consignado permite que a margem total consignável chegue a 45% no caso de aposentados e pensionistas, ou seja, comprometendo quase metade da renda do tomador.

Hoje, o crédito consignado no país soma R$ 535,4 bilhões, sendo R$ 301,1 bilhões só para servidores públicos. A inadimplência no consignado é de 2,5%, ante uma taxa de 3,5% nos recursos livres em geral.

Nos bastidores, algumas instituições demonstram receio com esse aumento do limite, e devem colocar o novo cartão na prateleira de produtos, mas sem oferecê-lo ativamente aos clientes.

“O risco de crédito é muito grande, o que significa que, para a operação valer a pena para o banco, seria preciso cobrar uma taxa de juros enorme. Isso é impraticável. O que acontece se a pessoa perde o benefício? É muito controverso”, diz uma fonte do setor.

A possibilidade de oferecer crédito consignado atrelado a benefício sociais é rechaçada pela maioria dos bancos privados. Assim, a modalidade tende a ser operada só pelos públicos quando a regulamentação do Ministério da Cidadania for publicada.

As medidas, de acordo com o governo, têm o objetivo “de atenuar os efeitos da crise econômica que atingiu as famílias brasileiras durante o período de pandemia”. No entanto, também são vistas como parte do rol de iniciativas para ajudar na reeleição de Bolsonaro.

BB e Caixa

O Banco do Brasil informou que avalia a possibilidade de aumentar a margem por meio do cartão de crédito consignado e do cartão benefício, pois já opera com margem ampliada de 35% para empréstimos consignados a beneficiários do INSS. A Caixa disse que a viabilidade financeira e operacional do cartão benefício está em avaliação.

Nos grandes bancos privados, a oferta ainda é vista com resistência. O Itaú disse que não trabalha com cartão consignado/benefício, e que não tem perspectiva de oferecê-lo. “Portanto, seguirá com a margem de até 35%”, comentou, por meio da assessoria de imprensa. O Santander disse que ampliará a margem do consignado “como manda a Lei”. O Bradesco só afirmou que vai “operar de acordo com a regra”.

Médio porte

Já nos bancos de médio porte, há uma divisão sobre o cartão de benefícios. Instituições que somente oferecem o crédito, ou seja, na qual o tomador não é também um correntista, tendem a implementar o produto, que em tese terá uma função diferente do consignado tradicional.

Entretanto, o receio é que acabe acontecendo o mesmo que se viu no o cartão de crédito consignado. Criado como uma espécie de financiamento ao consumo, com a possibilidade de sacar o limite no caixa, ele acabou virando um empréstimo.

Apesar disso, alguns bancos de médio porte já oferecem em seus sites a possibilidade de simular o consignado para quem recebe benefícios sociais.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Bolsonaro sanciona lei que autoriza doações no meio da campanha eleitoral
Brasil mantém estabilidade na média móvel de mortes por covid pelo vigésimo dia seguido
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde