Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Home Economia Bolsa brasileira perde 11,93% no ano passado e registra o pior resultado desde 2015

Compartilhe esta notícia:

Apesar de ter fechado em alta de 0,69% no último pregão do ano passado, o Ibovespa – principal índice de ações da B3, a Bolsa brasileira – não conseguiu evitar um ano negativo em 2021. No acumulado, o indicador encerrou aos 104.822 pontos, registrando queda de 11,93%. Esse é o pior resultado desde 2015, quando a desvalorização foi de 13,31%, além de mostrar o País na contramão de outras bolsas globais, que tiveram ganhos.

O varejo foi o destaque negativo em um ano marcado por desempenhos ruins. O Magazine Luiza ficou na “lanterninha”, com queda de 71,04% depois de um forte desempenho em 2020. Em seguida vieram outras empresas do mesmo segmento, como Via (dona de Casas Bahia e Ponto) e Americanas S/A, com perdas de 67,51% e 58,23%, respectivamente.

Na contramão das varejistas e da maior parte das ações que compõem o índice, duas companhias se descolaram na ponta positiva. A Embraer mais que dobrou de valor no período (+180%), enquanto a Braskem lutou até o fim pela primeira posição, sendo a segunda mais valorizada (+176%).

Também bem à frente das outras integrantes do Ibovespa, mas consideravelmente atrás das duas primeiras colocadas, figuraram as gigantes de alimentos JBS e Marfrig, com ganhos de 75,7% e 73%, respectivamente.

Para Danniela Eiger, líder de varejo e colíder de Equity Research da XP, as razões que fizeram o varejo protagonizar o revés da B3 vem, principalmente, da cena macroeconômica do País. A inflação mais alta e persistente do que o esperado, juros também mais altos do que a expectativa do início do ano, além de um cenário de pandemia mais prolongado, que derrubou as perspectivas do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, são os principais elementos da cena.

“As varejistas de e-commerce têm mais correlação com movimento macro, porque estão concentradas em (compras de) tíquetes mais altos, como é o caso de Magazine Luiza e Via. O aumento de juros torna financiamentos mais caros, o que é muito negativo para a categoria”, afirma a analista.

Ela pontua ainda que essas empresas partem de comparações elevadas no ano anterior, quando registraram números fortes de vendas. Além disso, o aumento da concorrência, com o desembarque de empresas estrangeiras de comércio eletrônico no País, também ajuda a pressionar as margens das brasileiras do setor.

No caso da Via, para além da situação econômica nacional, pesou a necessidade de uma nova reserva no valor de R$ 1,2 bilhão, para possíveis perdas relacionadas a processos trabalhistas. O comunicado da companhia revirou a confiança do mercado em relação à companhia. Como resultado, as ações da empresa chegaram a despencar 18% na manhã do último dia de 2021. No fechamento daquele pregão, a baixa foi de 12,5%.

Já na Americanas S/A – que tem eletrodomésticos como uma parcela menos representativa de suas vendas do que as concorrentes –, o contexto de inflação e juros altos pesou, mas com menos intensidade. O mercado viu como positiva a combinação de negócios da B2W, que antes ficava com a parte digital da companhia, com a operação física da Lojas Americanas. No entanto, analistas ainda apontam dúvidas quanto ao futuro da companhia, que costuma ser menos clara em seus anúncios do que as concorrentes.

Ponta positiva

A Embraer é o destaque do lado das vencedoras da Bolsa em 2021. Depois de um ano muito difícil em 2020, quando acumulou perdas com a pandemia e ainda teve que se desfazer do acordo fechado com a Boeing, a fabricante brasileira se recuperou e fechou 2021 no topo da lista de maiores altas do Ibovespa.

Entre os fatores que contribuíram para a valorização dos papéis estão a recuperação do mercado de aviação comercial para jatos de médio porte e as boas perspectivas para o mercado de “carros voadores”.

Na semana passada, a empresa informou que a Eve, sua empresa de mobilidade aérea urbana, firmou um acordo definitivo de combinação de negócios com a Zanite Acquisition Corp., empresa de aquisição de propósito específico focada no setor de aviação. A previsão é de que a operação seja concluída no segundo trimestre de 2022 com a estreia na Bolsa de Nova York. O valor de empresa atribuído à Eve na transação é de quase US$ 3 bilhões.

“Não pela performance e sim pelo potencial de negócios da subsidiária Eve que as ações da Embraer alcançaram o primeiro lugar no pódio das maiores altas em 2021. Não seria para menos. Além do movimento disruptivo, dado o campo de atuação de mobilidade aérea urbana, a Eve conseguiu aportes e sócios importantes “, diz o analista João Frota, da Senso Investimentos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Saldo de 15 bilhões de reais nas contas do governo federal, Estados e municípios reflete a inflação e a maior arrecadação de impostos
Gasolina fecha o ano com alta de quase 50% em comparação a 2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde